Premium Do Flashback à Circulatura do Quadrado - ou do karaté ao jogo de florete

Já houve narizes vermelhos nas caras, um rosto pintado de preto e muito sangue e pugilato. José Magalhães recordou histórias antigas do programa que agora migra para a TVI com o nome de Circulatura do Quadrado.

Jorge Coelho tem o jornal desportivo aberto na mesa. Foi Carlos Andrade, o moderador do programa Quadratura do Círculo, quem lhe disse para ir comprar o Record, "que tenho aqui à minha frente", diz o socialista, antigo ministro, atual gestor e comentador. "É verdade", conta Coelho, "o homem que nunca ligou nada a futebol, que não sabe nada, tem direito na primeira vez que tem uma reportagem sobre futebol a uma primeira página e às páginas centrais".

"Pacheco Pereira já gosta de futebol" - e o socialista lê o título da reportagem e de um outro artigo, "Eu nem sei o que é um fora-de-jogo". E Jorge Coelho não tira o pé do acelerador, contando que o historiador e antigo dirigente do PSD foi visto a protestar vivamente contra o árbitro num jogo. "Vocês fazem-me a folha", replicou timidamente Pacheco Pereira, entre os risos do moderador e do outro comentador, Lobo Xavier, gestor, também antigo dirigente do CDS, que lá introduz um apontamento mais racional à conversa - afinal, Pacheco Pereira apoia, através da associação Ephemera, a equipa de veteranos do clube da terra onde instalou a sua biblioteca, a Marmeleira, Rio Maior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.