Premium

crianças

Até quando deve acreditar-se no Pai Natal?

Povoa o imaginário de miúdos e as recordações de graúdos. O Pai Natal aparece uma vez por ano e contribui para o desenvolvimento das crianças, dizem os especialistas. "Ainda acredito e tenho 63 anos", afirma o pediatra Mário Cordeiro. Mas atenção: há que fugir do consumismo.

"Ele entra pela porta da minha casinha e dá-me presentes. Já escrevi a carta. Pedi seis ou sete coisas. Não fico chateada se ele não me der tudo o que pedi porque fico sempre contente que venha à minha casa. Eu abraço-o muito. É o que eu mais gosto, abraçá-lo. O Pai Natal é bom." O relato é de Noa Pradas e ela sabe bem o que diz. Tem 5 anos e um entusiasmo na voz que não deixa dúvidas. Aquele "barrigudo" de "barba branca", como diz, é mesmo o máximo.

E a magia que esta menina vive, sente e partilha com o DN contagia também os graúdos que guardam na memória momentos de natais passados. "Todos os anos a minha mãe dizia-nos, a mim e aos meus irmãos: 'Esperem um bocadinho que vou mexer o arroz.' Até que num belo ano combinámos seguir a minha mãe até à cozinha e foi quando descobrimos o que não queríamos descobrir. Era ela quem punha as prendas ao pé da chaminé da cozinha", conta Isabel Branco, de 51 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".