Segurança máxima nos exames. Só uma dúzia de pessoas conhecem as perguntas
Premium

Exames nacionais

Segurança máxima nos exames. Só uma dúzia de pessoas conhecem as perguntas

Desde os professores que elaboram as provas até à sua chegada às escolas, pela mão da polícia, há um percurso que exige segredo máximo. Nesta segunda-feira começam os exames nacionais

Quando nesta segunda-feira de manhã chegar às mãos dos estudantes do ensino secundário o exame nacional de Filosofia do 11.º ano, a primeira de 22 disciplinas a exame até 27 de junho, o enunciado da prova já passou por várias fases, desde a elaboração, a impressão e a distribuição, em que o segredo e a segurança são essenciais.

Com conhecimento concreto do conteúdo, das perguntas, há cerca de uma dúzia de pessoas, que estão obrigadas a confidencialidade, nem à família devem revelar a sua tarefa. Os computadores que usam nem estão ligados à internet. "O processo é feito com total sigilo e segurança. Os portugueses podem estar tranquilos, há equidade entre os alunos e igualdade nos critérios de classificação", disse ao DN Luís Pereira dos Santos, presidente do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), organismo, com autonomia técnica e pedagógica, que é responsável pela conceção dos testes.

Ler mais

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG