Show de Pizzi e Chiquinho deram em goleada

Benfica recebeu e venceu o Famalicão, por 4-0, em jogo da 14.ª jornada da I Liga. Encarnados conseguiram a 11.ª vitória seguida e aumentaram a vantagem para o FC Porto, que só joga na segunda-feira.

Num jogo em que o Benfica voltou às grandes exibições, foi preciso paciência, muita circulação de bola, o génio de Pizzi e Chiquinho e mais uma finalização de Vinícius para construir um triunfo sólido frente à equipa sensação do campeonato (4-0). Para a história fica a 11.ª vitória seguida na I Liga portuguesa de futebol, em jogo da 14.ª jornada, naquela que foi também a 31.ª vitória de Bruno Lage - renovou esta semana até 2024 - em 33 jogos do campeonato. O Famalicão tornou a vitória do Benfica mais saborosa pela seriedade e intensidade que colocou na partida, mas acabou derrotada por números pesados e já vai em cinco jogo sem vencer, depois de ter estado a liderar a I Liga durante várias jornadas.

O Famalicão assustou logo no primeiro minuto de jogo para não deixar dúvidas quanto às suas intensões na partida. João Pedro Sousa fez duas alterações no onze: Rúben Lameiras e Toni Martínez entram para os lugares de Diogo Gonçalves e Anderson e apostou na organização defensiva, com saída organizada para o ataque.

Do lado do Benfica, Bruno Lage repetiu o mesmo onze utilizado nos triunfos folgados no Bessa e com o Zenit para a Liga dos Campeões. No inicio os encarnados sentiram alguma dificuldades em criar situações de finalização apesar de ter mais posse de bola. Com as laterais fechadas as águias tentaram surpreender apanhar a defesa do Famalicão em contra pé. Aos 20 minutos a primeira ameaça. Taraabt conseguiu passar a bola por cima da linha defensiva adversária e fazê-la chegar a Pizzi, que rematou de primeira, mas sem a direção certa.

O jogo decorria demasiado estudado para ser bonito ou bem jogado. Os jogadores das duas equipas pareciam algo tolhidos pela disciplina tática impostas pelos técnicos e arriscavam pouco. Faziam-no só pela certa. O que não retirava mérito, apenas brilho ao jogo.

A partir da meia hora os fantasista Pizzi e Rafael Martins resolveram animar o jogo. Primeiro foi o camisola 11 do Famalicão a enganar a defesa encarnada e a colocar a bola em Pedro Gonçalves, que rematou forte para defesa apertada de Vlachodimos. Passado o susto e já depois de Vinícius desperdiçar um cruzamento de Grimaldo, o 21 do Benfica entrou na área aos zigue-zagues pela esquerda. Pizzi deixou três adversários, as bancadas levantaram-se para assistir ao momento... mas Defendi encurtou o caminho para a baliza e impediu o golo. Era a melhor fase do jogo e dos encarnados. Pizzi estava endiabrado e variava de flanco com tal facilidade - aos 37 minutos apareceu na direita a rematar com força, mas à malha lateral -, que tornou ainda mais difícil a missão de o marcar por parte dos adversários.

Depois veio ao de cima o trabalho de casa. Numa jogada brilhantemente construída pelo Benfica, Tomás Tavares deu para Chiquinho receber e cruzar rasteiro para a finalização de Carlos Vinícius. Tudo bem feito. O brasileiro marcou o 10.º golo no campeonato (árbitro retirou-lhe um no jogo com Marítimo, se não era o 11.º).

Segunda parte infernal

O jogo foi para intervalo logo depois. E voltou como acabou. Com um Benfica forte e eficaz. Aos 48 minutos Pizzi fez o 2-0, numa jogada em que Chiquinho voltou a servir (embora com a ajuda de um defesa). O avançado apareceu pela direita e cruzou para o coração da área onde apareceu o transmontano a rematar como pode, de pé esquerdo e de primeira! Mas este lance não seria possível sem a ajuda de um apanha bolas! A exemplo do que aconteceu com Mourinho num Tottenham-Olympiacos da Liga dos Campeões, também Bruno Lage fez questão de agradecer ao apanha bolas que meteu a bola rápido a Tomás Tavares, que por sua vez meteu a bola em Chiquinho, que acabou por serviu Pizzi para o décimo golo do internacional português no campeonato.

A equipa de Bruno Lage estava insaciável. Com dinânicas de jogo poucas vezes vistas esta época, as águias chegaram ao 3-0 aos 63 minutos. Os protagonistas foram os mesmos. Tomás Tavares, Chiquinho e Pizzi, que recebeu o passe longo do avançado, recebeu, dominou, fintou o defesa e rematou de pé esquerdo para o segundo golo da conta pessoal.

Ainda com mais de 20 minutos para jogar e a vencer por três, Bruno Lage voltou a tirar Vinícius para os aplausos e dar minutos a Seferovic. Depois nova ovação para Cervi (fez um grande jogo) que deu lugar a Jota e para Chiquinho, que deu lugar a Caio Lucas. O camisola 7 das águias entrou para fazer o 4-0 fechar a contagem da tarde.

O Benfica venceu assim a sensação do campeonato, por 4-0, depois de ter vencido o Zenit, por 3-0, e o Boavista, por 4-1. Um registo goleador que dá boas indicações para o jogo com o Sp. Braga na quarta-feira para a Taça de Portugal.

Com este triunfo, o líder e campeão Benfica aumentou provisoriamente a vantagem para sete pontos sobre o FC Porto, que recebe o Tondela, na segunda-feira, enquanto o Famalicão permanece no terceiro lugar, com 24, mas ao alcance do Sporting, que, também na segunda-feira, visita o Santa Clara.

FIGURA

Pizzi (num jogo em que Taraabt, Tomás Tavares, Chiquinho e Vinícius estiveram em grande). O camisola 21 está em grande forma e frente ao Famalicão não disfarçou o talento. Pizzi passeou classe no relvado da Luz. Ameaçou levantar o estádio aos 30 minutos e no segundo tempo acabou a bisar. Mas não foram apenas dois golos, foram dois grandes golos. Um deles um remate com o pé esquerdo e de primeira e o outro depois de desviar um adversário do caminho... O transmontano vive a melhor época da carreira no que a golos diz respeito e lá leva 11 no campeonato.

VEJA OS GOLOS

FICHA DE JOGO

Jogo realizado no Estádio da Luz, em Lisboa.

Benfica - Famalicão, 4-0.

Marcadores:1-0, Vinícius, 39 minutos; 2-0, Pizzi, 48'; 3-0, Pizzi, 63'; 4-0, Caio Lucas, 89'

Equipas:

Benfica: Vlachodimos, Tomás Tavares, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo, Gabriel, Taarabt, Pizzi, Cervi (Jota, 79), Chiquinho (Caio Lucas, 84) e Vinícius (Seferovic, 69).

Treinador: Bruno Lage.

Famalicão: Rafael Defendi, Riccieli, Roderick, Nehuén Pérez, Centelles, Gustavo Assunção (Guga, 64), Pedro Gonçalves, Uros Racic, Fábio Martins, Rúben Lameiras (Nico Shiappacasse, 76) e Toni Martinez (Anderson, 64).

Treinador: João Pedro Sousa.

Árbitro: Rui Costa (AF Porto).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Fábio Martins (2) e Riccieli (45).

Assistência: 51.721 espetadores.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG