Premium Tarantino dá o peito às balas da melancolia

A estrear em plena silly season, como um gesto de provocação cinéfila, está aí um dos grandes filmes deste ano. Era Uma Vez... em Hollywood é a fantasia saudosa de um Tarantino maduro.

O início da vida mediática de Era Uma Vez... em Hollywood ficou marcada pelo triste, e ao mesmo tempo memorável, episódio na conferência de imprensa do Festival de Cannes, em que uma jornalista do The New York Times decidiu confrontar Quentin Tarantino com a contabilidade dos diálogos da atriz Margot Robbie (que no filme interpreta a trágica Sharon Tate).

Comentava então a repórter que Robbie tinha muito poucas deixas e que isso não era compatível com o seu talento, insinuando a comparação com os colegas ao seu lado na mesa, Leonardo DiCaprio e Brad Pitt. A tal afirmação Tarantino respondeu de forma curta e seca, instalando uma atmosfera pesada na sala: "Rejeito a sua hipótese."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.