Segurança Social recorre a precários para agilizar pensões

Ministério do Trabalho lança conjunto de medidas para fazer face aos atrasos na avaliação dos pedidos de reforma.

A Segurança Social vai contratar, durante este mês de agosto, 44 trabalhadores em regime de prestação de serviços para tratamento de pendências no Centro Nacional de Pensões (CNP). Questionado pelo DN/Dinheiro Vivo, fonte oficial do Ministério do Trabalho (MTSSS) sublinha que se trata de uma "medida de contingência" até que esteja finalizado o concurso externo para entrada de 70 novos funcionários.

O lançamento deste concurso externo vai ser feito durante esta semana e pretende contratar 200 novos funcionários (150 assistentes técnicos e 50 técnicos superiores), prevendo-se que cerca de 70 sejam alocados ao CNP, mas ainda vai demorar alguns meses até estar concluído.

Já em funcionamento estão três novos polos desconcentrados do Centro Nacional de Pensões: um em Aveiro, com 11 funcionários, e dois em Braga, com 22 trabalhadores, num total de 33 recursos humanos recrutados dentro da administração pública.

O processo de reforço do número de trabalhadores é feito ainda através da conclusão do Programa de Regularização dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP) com o recrutamento, até ao final de setembro, de 65 funcionários para o CNP.

Fonte oficial do MTSSS refere que com estas medidas, no imediato, o Centro Nacional de Pensões vai ganhar 105 novos funcionários entre julho e setembro, correspondendo a um reforço superior a 30% dos efetivos. A estes vão ainda juntar-se os novos trabalhadores contratados através do tal concurso externo que ainda vai demorar até estar terminado. A mesma fonte adianta que, "concluídos todos os processos, prevê-se que os recursos humanos do Centro Nacional de Pensões sejam reforçados em mais de 50%", ou seja, perto de 480 funcionários (atualmente são 320).

Serviços em Lisboa centralizados num único edifício

O reforço de meios humanos é uma das três medidas definidas pelo Instituto de Segurança Social para fazer face aos atrasos no deferimento dos pedidos de pensões de velhice, sobrevivência e invalidez. A outra tem que ver com os sistemas de informação e infraestruturas tecnológicas e uma terceira com as alterações de procedimentos internos para melhorar os processos.

Entre essas medidas está a centralização, até ao final deste ano, dos serviços da Segurança Social de Lisboa num único edifício na Avenida de Berna. Em desenvolvimento está também um novo sistema informático de pensões e quase terminadas estão novas funcionalidades do sistema com o objetivo de diminuir o trabalho até agora manual.

Perda de efetivos causou atrasos

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social reconhece os atrasos no deferimento dos pedidos de pensões, mas lembra que, entre 2011 e 2015, o Instituto de Segurança Social perdeu 27% dos seus efetivos. O gabinete de Vieira da Silva sublinha, de resto, que a área das pensões foi das que sofreram uma maior razia de funcionários durante aquele período, com perda de 35% dos trabalhadores. Uma quebra de pessoal a que se juntou, refere ainda o ministério, o encerramento do Centro de Contacto da Segurança Social em 2012 e o "desinvestimento nos sistemas de informação".

Fonte oficial do MTSSS adianta que "estas medidas irão permitir uma melhoria global na capacidade operativa do Centro Nacional de Pensões, reduzindo o volume de pendências e contribuindo para uma resposta mais célere aos beneficiários do sistema de pensões".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.