"Fascistas do terceiro milénio" estão em Portugal. Russos e italianos apoiam

As autoridades - SIS e PJ - estão alerta e a vigiar estas novas organizações ainda com pouca expressão. Nos últimos três anos destacaram-se cinco movimentos identitários neonazis, alguns atraíram históricos skinheads.

São 14 as palavras-chave decoradas pelos militantes: "Devemos assegurar a existência do nosso povo e um futuro para as crianças brancas", uma expressão inspirada no Mein Kampf, de Adolf Hitler. Quando se juntam repetem sílaba a sílaba. É a essência dos novos grupos chamados de "identitários" que se têm avolumado por toda a Europa e que também procuram espaço no nosso país. São os "fascistas do terceiro milénio", classifica José Pedro Zúquete, investigador do Instituto de Ciências Sociais, que vai em outubro lançar um livro nos EUA sobre o tema. "Rejeitam a esquerda progressista e a direita liberal e, inspirados nos italianos Casapound, reivindicam a herança do fascismo para o novo milénio", explica.

É também sobre a expansão deste fenómeno em Portugal que alerta o Serviço de Informações e Segurança (SIS) no último Relatório de Segurança Interna, tendo o atual diretor nacional da Polícia Judiciária, Luís Neves, assumido o combate à "extrema-direita emergente e criminosa". Com a fação "criminosa" destes extremistas quase paralisada nos últimos anos com as investigações e detenções da Judiciária - com destaque para os seguidores e desertores skinheads de Mário Machado - restam os "emergentes". "São sempre grupos de risco, alvo de atenção especial, mas a liberdade de expressão é um direito. O crime só está quando concretizam os seus discursos racistas e xenófobos ou há apelos diretos à violência. É ai que a PJ atua. E vale tanto para extrema-direita como para a extrema-esquerda", explica uma fonte policial que acompanha estes movimentos.

A fronteira é fina e frágil como porcelana, até porque, conforme o DN pode confirmar em fontes abertas na internet, estão identificados na esfera de influência destas novas organizações, alguns históricos dos cabeças-rapadas, como é o caso de dois dos condenados pelo assassinato de Alcindo Monteiro no Bairro Alto, em 1995.

Nos últimos três anos, cinco novas organizações surgiram ou ressurgiram nos radares das autoridades: Misanthropic Division - Portugal; Portugueses Primeiro; Trebaruna (esta replicada noutra, a Lisboa Nossa); Escudo Identitário e o Movimento Social Nacionalista.

O "que mais preocupa é que existe um novo perfil nos seus militantes, com potencial para atrair mais gente, principalmente jovens nas escolas secundárias e universidades, através das redes sociais. Já não são os boneheads (cabeças-ocas) dos skinheads, estamos perante jovens universitários, licenciados com capacidade de retórica capaz de grande influência em determinados contextos socioeconómicos", explica uma outra fonte policial.

Uma forma própria de vida

Têm atividade pública e regular nas redes sociais. Mais ativos são os militantes do Escudo Identitário e os Portugueses Primeiro. Há menos de um mês, trouxeram a Portugal neonazis russos e italianos - um deles Gianluca Iannone, o presidente do Casapound,um partido assumidamente fascista que concorreu às últimas eleições italianas. O anunciado Concerto Patriótico, o segundo no espaço de um ano, pretendia ser uma prova de força e uma demonstração de crescimento em território nacional. Felizmente, registaram as autoridades, ficou muito aquém das expectativas, com fraca adesão e alguns prejuízos financeiros para a organização que tinha apostado forte na participação dos estrangeiros.

O programa foi preparado para preencher os "três eixos" dos movimentos identitários: uma conferência (aqui participaram os neonazis russos e italianos) para a doutrinação; uma "gala" de luta (no caso um espanhol contra um português) para vincar a importância da preparação física para estes "soldados" da nova geração; e o momento de confraternização, com um concerto (realizado numa discoteca em Alcântara) com a participação de duas bandas italianas, a Zetazeroalfa - ZZA (cujo vocalista é Iannone) e o rapper Bronson.

"Os desportos de combate (boxe, artes marciais, etc.) fazem parte do seu combate cultural: estão nos antípodas de uma sociedade burguesa, "macia", efeminada, que neutraliza o conflito, que tem horror à violência", salienta Zúquete. Os concertos, como os do ZZA, acrescenta, "são muitas vezes palco de danças que são vividas como "lutas" entre os participantes. O objetivo é sempre o mesmo: a criação de um espírito de corpo, de camaradagem - e através da luta, do suor, da violência - o alcançar de um modo de vida mais vital, mais trágico, mais perto da vida como ela é na sua essência, em vez da vida desagregada, atomizada e desvitalizada que eles veem nas sociedades contemporâneas. Criar uma contracultura, combater as ideias dominantes, atrair os jovens, ensinar-lhes a "viver" uma vida diferente: esta é a meta do casapoundismo, a nova versão da direita radical para o século XXI". No seu entender, "esta nova tendência - e a sua expansão, ainda que muito incipiente no caso português (seguramente pouco mais de cem ativistas) - é algo mais relevante do ponto de vista da direita radical e antissistémica, do que as zaragatas entre motards ou a suposta "infiltração neonazi" em claques de futebol".

Jovens, hipsters e educados

Quando falou ao DN, Filipe Pathé Duarte, especialista terrorismo e segurança interna, estava em Oxford, por coincidência num seminário sobre antissemitismo e extremismo violento. A preocupação com o crescimento da extrema-direita - quer em partidos populistas, quer em forma de organizações de direita radical com atividade criminosa, quer com os grupos identitários, é transversal. Estes últimos, sublinha Pathé Duarte, "afirmam querer preservar a "identidade etnocultural da Europa" - percebida como branca e cristã. Acreditam que os europeus "indígenas" estão a ser substituídos por muçulmanos e migrantes. É uma nova extrema-direita, jovem, hipster e educada, que procura destacar-se dos "falhanços" do passado. Estão a crescer exponencialmente e são bastante ativos nas redes sociais".

Ponto em comum entre as três formas de afirmação: "são alimentados pela mesma raiva anti-establishment que está a beneficiar os partidos populistas em toda a Europa. Também se aproveitam da preocupação pública da ameaça jihadista, da crise migratória e do aparente falhanço das políticas multiculturais. Estão envolvidos num hiperconservadorismo social e num etnonacionalismo identitário/supremacia branca. Têm em comum ideias e símbolos fascistas, nazis e antissemitas, assim como o desdém pela democracia". Em Portugal, confirma, "há vontade de expansão".

Riccardo Marchi, investigador do ISCTE e um dos maiores peritos em extrema-direita, não vê demonstrações de que esteja numa evolução "emergente e criminosa", distinguindo as "subculturas dos motards e skinheads - bastante fragilizadas pelas operações judiciais de que têm sido alvo - dos "movimentos políticos identitários". "Estes grupos não protagonizaram até agora atos de violência embora algumas iniciativas tenham sido bastante radicais para os padrões portugueses (crítica presencial à Associação Académica da Nova que proibiu a conferência de Jaime Nogueira Pinto e defesa da estátua de Padre António Vieira, por exemplo). Em entrevista ao DN, Marchi vê a multiplicação destas organizações no nosso país, nos últimos anos, como "um sinal de fraqueza".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.