"Fascistas do terceiro milénio" estão em Portugal. Russos e italianos apoiam

As autoridades - SIS e PJ - estão alerta e a vigiar estas novas organizações ainda com pouca expressão. Nos últimos três anos destacaram-se cinco movimentos identitários neonazis, alguns atraíram históricos skinheads.

São 14 as palavras-chave decoradas pelos militantes: "Devemos assegurar a existência do nosso povo e um futuro para as crianças brancas", uma expressão inspirada no Mein Kampf, de Adolf Hitler. Quando se juntam repetem sílaba a sílaba. É a essência dos novos grupos chamados de "identitários" que se têm avolumado por toda a Europa e que também procuram espaço no nosso país. São os "fascistas do terceiro milénio", classifica José Pedro Zúquete, investigador do Instituto de Ciências Sociais, que vai em outubro lançar um livro nos EUA sobre o tema. "Rejeitam a esquerda progressista e a direita liberal e, inspirados nos italianos Casapound, reivindicam a herança do fascismo para o novo milénio", explica.

É também sobre a expansão deste fenómeno em Portugal que alerta o Serviço de Informações e Segurança (SIS) no último Relatório de Segurança Interna, tendo o atual diretor nacional da Polícia Judiciária, Luís Neves, assumido o combate à "extrema-direita emergente e criminosa". Com a fação "criminosa" destes extremistas quase paralisada nos últimos anos com as investigações e detenções da Judiciária - com destaque para os seguidores e desertores skinheads de Mário Machado - restam os "emergentes". "São sempre grupos de risco, alvo de atenção especial, mas a liberdade de expressão é um direito. O crime só está quando concretizam os seus discursos racistas e xenófobos ou há apelos diretos à violência. É ai que a PJ atua. E vale tanto para extrema-direita como para a extrema-esquerda", explica uma fonte policial que acompanha estes movimentos.

A fronteira é fina e frágil como porcelana, até porque, conforme o DN pode confirmar em fontes abertas na internet, estão identificados na esfera de influência destas novas organizações, alguns históricos dos cabeças-rapadas, como é o caso de dois dos condenados pelo assassinato de Alcindo Monteiro no Bairro Alto, em 1995.

Nos últimos três anos, cinco novas organizações surgiram ou ressurgiram nos radares das autoridades: Misanthropic Division - Portugal; Portugueses Primeiro; Trebaruna (esta replicada noutra, a Lisboa Nossa); Escudo Identitário e o Movimento Social Nacionalista.

O "que mais preocupa é que existe um novo perfil nos seus militantes, com potencial para atrair mais gente, principalmente jovens nas escolas secundárias e universidades, através das redes sociais. Já não são os boneheads (cabeças-ocas) dos skinheads, estamos perante jovens universitários, licenciados com capacidade de retórica capaz de grande influência em determinados contextos socioeconómicos", explica uma outra fonte policial.

Uma forma própria de vida

Têm atividade pública e regular nas redes sociais. Mais ativos são os militantes do Escudo Identitário e os Portugueses Primeiro. Há menos de um mês, trouxeram a Portugal neonazis russos e italianos - um deles Gianluca Iannone, o presidente do Casapound,um partido assumidamente fascista que concorreu às últimas eleições italianas. O anunciado Concerto Patriótico, o segundo no espaço de um ano, pretendia ser uma prova de força e uma demonstração de crescimento em território nacional. Felizmente, registaram as autoridades, ficou muito aquém das expectativas, com fraca adesão e alguns prejuízos financeiros para a organização que tinha apostado forte na participação dos estrangeiros.

O programa foi preparado para preencher os "três eixos" dos movimentos identitários: uma conferência (aqui participaram os neonazis russos e italianos) para a doutrinação; uma "gala" de luta (no caso um espanhol contra um português) para vincar a importância da preparação física para estes "soldados" da nova geração; e o momento de confraternização, com um concerto (realizado numa discoteca em Alcântara) com a participação de duas bandas italianas, a Zetazeroalfa - ZZA (cujo vocalista é Iannone) e o rapper Bronson.

"Os desportos de combate (boxe, artes marciais, etc.) fazem parte do seu combate cultural: estão nos antípodas de uma sociedade burguesa, "macia", efeminada, que neutraliza o conflito, que tem horror à violência", salienta Zúquete. Os concertos, como os do ZZA, acrescenta, "são muitas vezes palco de danças que são vividas como "lutas" entre os participantes. O objetivo é sempre o mesmo: a criação de um espírito de corpo, de camaradagem - e através da luta, do suor, da violência - o alcançar de um modo de vida mais vital, mais trágico, mais perto da vida como ela é na sua essência, em vez da vida desagregada, atomizada e desvitalizada que eles veem nas sociedades contemporâneas. Criar uma contracultura, combater as ideias dominantes, atrair os jovens, ensinar-lhes a "viver" uma vida diferente: esta é a meta do casapoundismo, a nova versão da direita radical para o século XXI". No seu entender, "esta nova tendência - e a sua expansão, ainda que muito incipiente no caso português (seguramente pouco mais de cem ativistas) - é algo mais relevante do ponto de vista da direita radical e antissistémica, do que as zaragatas entre motards ou a suposta "infiltração neonazi" em claques de futebol".

Jovens, hipsters e educados

Quando falou ao DN, Filipe Pathé Duarte, especialista terrorismo e segurança interna, estava em Oxford, por coincidência num seminário sobre antissemitismo e extremismo violento. A preocupação com o crescimento da extrema-direita - quer em partidos populistas, quer em forma de organizações de direita radical com atividade criminosa, quer com os grupos identitários, é transversal. Estes últimos, sublinha Pathé Duarte, "afirmam querer preservar a "identidade etnocultural da Europa" - percebida como branca e cristã. Acreditam que os europeus "indígenas" estão a ser substituídos por muçulmanos e migrantes. É uma nova extrema-direita, jovem, hipster e educada, que procura destacar-se dos "falhanços" do passado. Estão a crescer exponencialmente e são bastante ativos nas redes sociais".

Ponto em comum entre as três formas de afirmação: "são alimentados pela mesma raiva anti-establishment que está a beneficiar os partidos populistas em toda a Europa. Também se aproveitam da preocupação pública da ameaça jihadista, da crise migratória e do aparente falhanço das políticas multiculturais. Estão envolvidos num hiperconservadorismo social e num etnonacionalismo identitário/supremacia branca. Têm em comum ideias e símbolos fascistas, nazis e antissemitas, assim como o desdém pela democracia". Em Portugal, confirma, "há vontade de expansão".

Riccardo Marchi, investigador do ISCTE e um dos maiores peritos em extrema-direita, não vê demonstrações de que esteja numa evolução "emergente e criminosa", distinguindo as "subculturas dos motards e skinheads - bastante fragilizadas pelas operações judiciais de que têm sido alvo - dos "movimentos políticos identitários". "Estes grupos não protagonizaram até agora atos de violência embora algumas iniciativas tenham sido bastante radicais para os padrões portugueses (crítica presencial à Associação Académica da Nova que proibiu a conferência de Jaime Nogueira Pinto e defesa da estátua de Padre António Vieira, por exemplo). Em entrevista ao DN, Marchi vê a multiplicação destas organizações no nosso país, nos últimos anos, como "um sinal de fraqueza".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.