Dos hábitos de leitura ao discurso positivo. Como sobreviver ao 1.º dia de aulas
Premium

Educação

Dos hábitos de leitura ao discurso positivo. Como sobreviver ao 1.º dia de aulas

Saber comunicar o conceito de escola de forma positiva, não criar expectativas e estimular conhecimento desde cedo. São algumas das fórmulas para um início de ano livre de dramas e, possivelmente, um percurso escolar bem-sucedido, explica o psicólogo José Morgado.

O toque de entrada para o derradeiro primeiro dia de aulas ainda nem se fez soar, já as mochilas de milhares de alunos do primeiro ano estavam a ser preparadas, com cadernos, canetas e conselhos para levar no dia-a-dia. O ano letivo arranca oficialmente nesta terça-feira e, para os pais, este primeiro dia pode ser motivo de grande ansiedade. Para os alunos representa a descoberta de um novo mundo, cuja primeira impressão poderá definir a forma como o percecionam dali para a frente. "É um marco importante", é certo, mas "não deve ser dramatizado". O psicólogo e especialista em educação infantil José Morgado explica como sobreviver ao início deste novo ciclo.

A pequena Constança, de 5 anos, "perspicaz, curiosa e matura para a sua idade", pertence ao grupo de milhares de alunos que começa neste ano o seu percurso escolar, no primeiro ano. Mas, ao contrário do que costuma acontecer, na sua casa não há "friozinhos" na barriga ou qualquer sinal de nervosismo, garante a mãe Susana. Afinal, a filha continua no Colégio Santa Maria, no Porto, onde já fez o pré-escolar. Não esbarrar com o desconhecido "dá alguma segurança", admite. Em vez de nervosos, os pais dizem estar "curiosos para saber como é que ela vai reagir ao facto de passar tanto tempo parada". É já na suarta-feira que Constança dá início a um novo ciclo.

Ler mais

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG