O Movimento Zero numa manifestação.
Premium

poder

Crescimento de propaganda online de polícias radicais alarma autoridades

Há uma manifestação de polícias marcada para dia 21 que foi classificada de "alto risco" por causa da adesão do Movimento Zero. PSP tem em alerta todo o efetivo do comando de Lisboa.

Nesta semana, a página no Facebook do Movimento Zero, dinamizado por elementos da PSP e da GNR sob anonimato, ultrapassou os 50 mil seguidores. Só nos últimos dois meses aumentou em cerca de 166%. E é a oitava página de propaganda política mais ativa no conjunto que é seguido pelo centro de investigação do MediaLab do ISCTE, que trabalha com o Diário de Notícias na monitorização de propaganda e desinformação nas redes sociais.

Este movimento anónimo de polícias criou também, a 23 de outubro, uma página online alojada na Amen, de "titular confidencial". Isto tem um significado: os líderes do "movimento" pretendem manter-se sob anonimato, online - mesmo dispondo de direitos sindicais que protegem o seu discurso crítico -, ao mesmo tempo que montam todos os passos para uma eficaz campanha de propaganda. Já têm um site, anónimo, páginas nas redes sociais, sem autores reconhecíveis, e uma rede de influência que chega a mais de 500 mil utilizadores do Facebook.

Um dos textos mais partilhados por esta página no Facebook teve mais de 3500 partilhas. Se cada utilizador tiver, em média, 150 amigos (o número oficial da rede social para o Reino Unido, que é o único revelado), o texto chega a mais de meio milhão de utilizadores em Portugal. Como é comum nesta página, que se dedica a mostrar os alegados sinais de uma violência constante nas ruas e da dificuldade que os polícias têm para exercer o seu trabalho, este é texto sobre um caso-limite: o de um suicídio, que o Movimento Zero atribui à responsabilidade dos "governantes": "Mais um dos nossos que parte, colocando termo à vida no seu local de trabalho, com a sua arma de serviço. Será que os senhores governantes vão continuar a ignorar o flagelo que se vive nas Forças de Segurança?"

Ler mais

Exclusivos