Premium Parlamento põe travão em avalanche de resoluções e votos

Na próxima reunião da conferência de líderes parlamentares, convocada expressamente para o efeito, as bancadas serão chamadas a discutir e fechar as alterações ao regimento parlamentar.

Os partidos vão finalmente avançar com o travão às resoluções aprovadas em plenário da Assembleia da República. Outro ponto em debate é um maior rigor nos votos (de louvor e protesto) que são levados a votação no hemiciclo e que já mereceram fortes reparos do presidente da comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros, o socialista Sérgio Sousa Pinto.

Na próxima reunião da conferência de líderes parlamentares, que foi convocada expressamente para o efeito no dia 18, os vários grupos parlamentares serão chamados a discutir - e previsivelmente fechar - as alterações ao regimento parlamentar, que tem sido debatido desde há vários meses.

O tema já tinha motivado acesa discussão na reunião de 4 de julho passado, com fortes críticas do BE e do CDS a esta intenção, e nem o verão terá convencido bloquistas e centristas. Na altura, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, avisou os líderes parlamentares de que o Parlamento "não pode funcionar como uma assembleia municipal para atender à obra do chafariz", notando que "não pode continuar a admitir este tipo de resoluções a partir da próxima sessão legislativa".

O documento de alterações ao regimento que tem estado a ser trabalhado desde a primeira hora pelo vice-presidente da mesa da Assembleia da República, Jorge Lacão (PS), e pelo secretário da mesa, o social-democrata Duarte Pacheco, identifica que muitas das resoluções que vão a votos nos dias de votação não correspondem a verdadeiras resoluções, mas a meras recomendações que, em muitos casos, teriam mais motivos para em serem apresentadas em assembleias municipais.

A hipótese regimental em cima da mesa pretende evitar que o ónus da decisão recaia no presidente da Assembleia da República, que tem sempre uma palavra a dizer. Aquilo que será aprovado - só BE e CDS mantêm o seu completo desacordo, as restantes bancadas estão genericamente de acordo - passa por, no ato de admissão e ouvidos os serviços, o presidente do Parlamento distinguir entre resoluções estatutárias (como matéria europeia ou viagens do Presidente da República, por exemplo), já previstas e que baixam às comissões para o processo legislativo; e as que são meras recomendações, que ficarão a aguardar que sejam agendadas (ou não) por um grupo parlamentar.

O presidente da Assembleia da República tem a prerrogativa de não admitir a votação projetos de resolução que entenda que extravasa o que está definido na Constituição e no regimento do Parlamento. Almeida Santos, por exemplo, foi muito restritivo nessa matéria, Jaime Gama, Assunção Esteves e Ferro Rodrigues deixaram nas mãos dos partidos essa decisão, recordou ao DN o deputado Duarte Pacheco.

Só que, nesta legislatura, todas as bancadas sem exceção tem usado e abusado da figura regimental das resoluções. Em três anos de legislatura foram aprovadas 1200 - mais 400 do que no total dos quatro anos da legislatura anterior (2011-2015). Muitas acabaram ignoradas.

Duarte Pacheco recordou também que noutros tempos os partidos usavam outras figuras regimentais (chegou a haver um período antes da ordem do dia "regional"), ou propostas (inscritas no PIDDAC, por exemplo, quando este passava pelo Parlamento) para dar voz aos anseios de vontades locais: o centro de saúde, o quartel de bombeiros, a praia fluvial. Agora, o expediente para estas "recomendações" passa pelas resoluções.

Sobre os votos, o tema será só agora discutido. Sérgio Sousa Pinto escreveu à conferência de líderes a pedir que a comissão dos Negócios Estrangeiros seja tida e achada em matérias de política externa. O regimento não o obriga, mas também não o impede e aquilo que se aponta é a possibilidade de o grupo parlamentar proponente pedir que o texto seja analisado pela comissão. Outra proposta em cima da mesa é a possibilidade de fundir votos semelhantes num só para evitar a profusão de votações deste tipo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.