Exclusivo O governador, o irmão jornalista e a ambição presidencial da dinastia Cuomo

Os números claros, a voz calma, as referências à mãe e as piadas com o irmão, o pivô da CNN Chris Cuomo, tornaram imperdíveis as conferências de imprensa diárias de Andrew Cuomo. E fizeram os americanos ver no governador de Nova Iorque o líder de que precisam em plena pandemia.

O novo coronavírus é "o grande equalizador", garantia Andrew Cuomo há dias em mais uma das suas conferências de imprensa diárias. O governador de Nova Iorque acabava de anunciar que o irmão Chris, pivô da CNN, está infetado com covid-19 e admitia: "Quando ele me disse fiquei assustado. Porquê? Porque ainda não sabemos. Lido com muitas coisas e já vi muita coisa... Porquê? Porque estamos a falar do meu irmão. É o meu melhor amigo. Falo com ele várias vezes ao dia, passei toda a vida com ele. É assustador a um nível fundamental... porque não há nada que eu possa fazer. E a situação é igual para todos." Foram momentos como este que tornaram as conferências de imprensa de Cuomo, governador do estado mais afetado até agora pelo coronavírus nos EUA, um momento a não perder para muitos americanos - e não só. Muitas vezes envergando um simples polo de manga curta branco, ou um casaco como os das equipas de socorro, Cuomo tornou-se uma figura tranquilizadora. Talvez seja a voz calma, ou os gráficos com números que antes tanto irritavam os nova-iorquinos mas que agora trazem clareza em tempos incertos, mas a verdade é que o governador não só ganhou aura de estrela, como há quem veja nele o líder de que o Partido Democrata precisa.

Sentado diante do seu PowerPoint, Andrew Cuomo não hesita em admitir que não sabe, em passar a pergunta a algum dos seus colaboradores, mas também não deixa de assumir a responsabilidade. "Se alguém estiver descontente, culpem-me a mim." E a pedir ajuda, como quando percebeu que o seu estado não teria capacidade para responder à avalanche de casos de covid-19 e apelou a que os outros governadores mandassem o pessoal médico e os ventiladores de que naquele momento ainda não precisavam.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG