Premium Professores explicam protesto em inglês, francês e castelhano

A partir desta terça-feira, em Faro, os turistas também vão poder assinar documentos solidarizando-se com a luta dos docentes portugueses.

Não são apenas as montras de lojas e restaurantes e a sinalética das ruas de Lisboa que se vão adaptando à diversidade dos visitantes da cidade. Os sindicatos de professores também já perceberam que têm nos turistas ouvintes adicionais das suas reivindicações. E nesta segunda-feira, numa ação de rua no Largo de Camões, foram distribuídos panfletos onde se explicava "la lucha del professorado em Portugal", "the fight of teachers in Portugal", "la lutte des enseignants au Portugal". O próximo passo, já nesta terça-feira, em Faro, será a recolha de assinaturas de turistas que queiram mostrar a sua solidariedade com a luta dos professores pela devolução do tempo de serviço congelado.

Ao DN, Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, garantiu que a iniciativa de traduzir os panfletos em castelhano, inglês e francês, bem como a recolha de assinaturas - que começará hoje e continuará até ao final da semana de greves por regiões, na quinta-feira -, não se destinam a embaraçar o governo português perante os visitantes estrangeiros mas, sim, a satisfazer a curiosidade destes últimos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras