Premium "As mulheres da PIDE também torturavam como os homens"

A anterior biografia que fez de um pide foi criticada pelo PCP. A historiadora Irene Flunser Pimentel lança novo livro e insiste em dar a conhecer os que à ordem de Salazar violentaram milhares de presos políticos.

A capa da última investigação da historiadora Irene Flunser Pimentel só tem dois nomes de mulher, o da própria e o de Madalena Oliveira. A autora tem sido uma estudiosa do tema PIDE e Madalena a famosa Leninha da PIDE, uma das mulheres que na polícia de Salazar se equiparava aos piores torturadores homens.

Mesmo assim, Madalena não tem grande espaço neste seu novo livro, Os Cinco Pilares da PIDE , porque, apesar de ter lugar na narrativa devido ao seu papel, não regista tantas responsabilidades como os cinco homens escolhidos a dedo para estas cinco biografias. No entanto, apesar de serem quase ignoradas na estrutura, Irene Pimentel reconhece função das mulheres na organização repressora: "É uma minoria." Uma situação que tem que ver com o regime e o papel destinado às mulheres: "Sobretudo em casa."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.