Premium Turismo: Portugal já aparece mais no radar dos chineses

Só 10% dos chineses têm passaporte, mas o número dos que viajam cresce de ano para ano. Portugal é um dos destinos de eleição na Europa e deverá continuar a ser.

Esteve adormecido durante anos, mas, a pouco e pouco, o gigante chinês está a despertar e a Europa (e Portugal) quer ficar com uma fatia deste mercado de milhões que está a descobrir o mundo. Na entrada da década, Pequim apostou numa transformação económica e, nunca perdendo de vista as exportações, decidiu apostar também no consumo interno. À medida que as famílias foram obtendo mais rendimentos, começaram a aceder cada vez mais a bens de luxo e a conhecer o mundo.

A população chinesa ronda os 1,4 mil milhões de pessoas, sendo certo que menos de 10% têm passaporte - cerca de 140 milhões de pessoas. No ano passado, os chineses realizaram 145 milhões de viagens transfronteiriças e no primeiro semestre de 2018 as visitas ao estrangeiro, indicam os dados oficiais, cresceram 15% em relação ao mesmo período de 2017, para 71,31 milhões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.