Pedidos de lay-off apresentados por 33.366 empresas

Universo de trabalhadores potencialmente abrangidos é de 566.751, mas poderão ser menos.

O número total de empresas que já formalizaram pedidos de acesso a lay-off no âmbito das novas regras simplificadas devido à pandemia está em 33.366, segundo dados atualizado esta segunda-feira pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, após nova reunião de balanço de respostas à crise com os parceiros sociais, esta segunda-feira.

Segundo explicou a ministra, os pedidos de suspensão ou redução da prestação de trabalho abarcam no limite 556.751 trabalhadores, mas não necessariamente."É o máximo de trabalhadores possível, porque representa o universo global de todos os trabalhadores dessas empresas. Não é necessariamente aqueles que são abrangidos concretamente em função da decisão que haja", explicou.

Ana Mendes Godinho considerou também que é cedo para avaliar se a previsão de que um milhão de trabalhadores seja colocado em lay-off devido à pandemia peca por defeito. "Foi a estimativa que se calculou para efeitos do impacto que a medida podia ter em termos orçamentais. Foi o cenário que identificámos. Neste momento, estamos a monitorizar a evolução dos números dia a dia. Não vamos avançar mais até percebermos a evolução".

Mas, a perceção do governo, parece apontar para uma diminuição no rimo dos pedidos ao longo dos últimos dias. "O que sentimos é que houve um maior número de pedidos logo nos primeiros dias iniciais e neste momento o crescimento não é tão acentuado como nos dias iniciais".

Os dados continuam também a apontar para que o maior número de pedidos de apoio à manutenção de postos de trabalho com redução de salários estejam a partir das áreas do alojamento, restauração e comércio, adiantou ainda a ministra do Trabalho.

Jornalista do Dinheiro Vivo

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG