Nem tudo fecha nos próximos dois fins de semana. Saiba o que ficará aberto

A partir das 13 horas fecha tudo nos próximos dois fins de semana, mas há exceções, com estabelecimentos que poderão ficar abertos fora dos horários de recolher obrigatório.

Farmácias, clínicas e consultórios, estabelecimentos de venda de bens alimentares com porta para a rua até 200 m2 e bombas de gasolina. São estes os estabelecimentos que podem ficar abertos mesmo durante o período de recolher obrigatório decretado para os próximos dois fins de semana.

A decisão foi anunciada pelo primeiro-ministro no final do Conselho de Ministros que atualizou para 191 o número de concelhos considerados de risco elevado, ou seja, que acumulam mais de 240 novos casos por cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

Assim, nos dias 14 e 15 de novembro e 21 e 22 de novembro, o comércio encerra a partir das 13 horas e abertura a partir das 8 horas, exceto "farmácias, clínicas e consultórios, estabelecimentos de venda de bens alimentares com porta para a rua até 200 m2 e bombas de gasolina", lê-se na nota divulgada pelo Governo.

Já os restaurantes podem ficar abertos a seguir à uma da tarde, mas apenas para entregas ao domicílio.

O Governo aprovou nesta quinta-feira medidas mais apertadas para os próximos dois fins de semana para evitar ajuntamentos e almoços de família, onde segundo o Governo, ocorrem mais de 60% das transmissões da covid-19.

A partir das 0h00 do dia 16 de novembro (segunda-feira), passam a fazer parte da lista mais 77 concelhos considerados de risco elevado e saem sete do atual conjunto a partir das 0h00 do dia 13 de novembro.

O Conselho de Ministros prorrogou ainda a declaração da situação de calamidade, em todo o território do Continente, até às 23h59 do dia 23 de novembro.

Nos 191 concelhos considerados de risco elevado mantêm-se as limitações que estavam em vigor até agora nos 121 municípios que encaixam nos critérios definidos.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG