Lidl quer contratar 500 para responder a pico de procura

Lidl limita entradas nas lojas e passa a fechar às 19h.

O Lidl quer contratar 500 colaboradores para reforçar as equipas das suas lojas e entrepostos, de norte a sul, para garantir uma melhor resposta ao pico de procura causada pelo surto de Covid-19.

"O Lidl quer fazer a sua parte para salvaguardar a economia, a criação de emprego em momentos como este é fundamental. As equipas têm feito a diferença ao trabalharem arduamente para garantir que os portugueses encontram nas nossas lojas tudo o que procuram, mas esta é uma época sem precedentes e por isso precisam de mais ajuda, pelo país", diz Maria Román, diretora geral de Recursos Humanos do Lidl Portugal, citada em nota de imprensa.

Com o surto do novo coronavírus os retalhistas alimentares têm assistido a uma corrida aos supermercados, aumentando a pressão sobre a área logística para garantir o abastecimento diário às lojas.

"A empresa, consciente do seu papel na garantia do bem-estar social, está empenhada em unir esforços para não falhar com os portugueses, e por isso pretende reforçar as equipas das suas 258 lojas e dos seus quatro entrepostos, de norte a sul do país. Para além disso, está há várias semanas a trabalhar com os seus fornecedores e os vários parceiros da sua cadeia de valor para continuar a garantir o fornecimento de bens aos seus clientes", diz a cadeia de retalho alimentar.

À semelhança de outras cadeias, o Lidl implementou um conjunto de medidas para reforçar a segurança dos colaboradores, minimizando os riscos de contágio, como o reforço do gel desinfetante em todas as lojas e entrepostos, reforço da limpeza de materiais e equipamentos.

"Foi iniciada a instalação de uma estrutura acrílica nas caixas de pagamento, reduzindo o contacto físico, assim como a colocação de marcas no chão, assinalando a distância de segurança, na linha de caixa", refere ainda a cadeia.

"Os clientes estão a ser também sensibilizados para a adoção de boas práticas, apelando não só ao respeito por todos, como à manutenção de distância de segurança e ao pagamento por Contacless ou MB Way, em vez de dinheiro".

Recomendações da DGS:
Para evitar que a epidemia se espalhe a DGS reforça os conselhos relativos à prevenção: evitar contacto próximo com pessoas que demonstrem sinais de infeção respiratória aguda, lavar frequentemente as mãos, evitar contacto com animais, tapar o nariz e a boca quando espirra ou tosse e lavar as mãos de seguida pelo menos durante 20 segundos. Em caso de apresentar sintomas coincidentes com os do vírus (febre, tosse, dificuldade respiratória), a autoridade de saúde pede que não se desloque às urgências, mas para ligar para a Linha SNS 24 (808 24 24 24). A tosse é o sintoma mais frequente (65%) entre os casos confirmados, seguida de febre (46%), dores musculares (40%), cefaleia (37%), fraqueza generalizada (24%) e, por último, dificuldades respiratórias (10%).
covid19.min-saude.pt

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG