Amazon chega a acordo com fisco sobre dívidas e multas

Empresa não quis revelar com exatidão o valor que pagou ao Estado francês

A Amazon anunciou hoje que chegou a um acordo com as autoridades fiscais francesas referente a cerca de 200 milhões de euros em impostos em atraso e multas referentes aos anos de 2006 a 2010.

Em 2012, o Ministério da Economia notificou a filial francesa do gigante norte-americano do comércio eletrónico que teria que liquidar impostos em atraso e multas relativas aos anos de 2006 a 2010, segundo um documento citado pela agência AFP.

Contactada pela agência de notícias AFP, a Direção-Geral de Finanças Públicas francesa não quis comentar o acordo a que chegou com a Amazon, dizendo tratar-se de sigilo fiscal.

No comunicado enviado pela Amazon, a empresa não quis revelar com exatidão o valor que pagou ao Estado francês.

"Chegámos a um acordo com as autoridades fiscais francesas sobre questões relacionadas com o passado", referiu em comunicado a Amazon, lembrando que "todas as receitas, encargos, lucros e impostos relacionados com o negócio de retalho são agora contabilizados em França".

A Amazon recordou também que "investiu [em França] mais de 2.000 milhões de euros desde 2010 e criou mais de 5.000 empregos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.