Amazon chega a acordo com fisco sobre dívidas e multas

Empresa não quis revelar com exatidão o valor que pagou ao Estado francês

A Amazon anunciou hoje que chegou a um acordo com as autoridades fiscais francesas referente a cerca de 200 milhões de euros em impostos em atraso e multas referentes aos anos de 2006 a 2010.

Em 2012, o Ministério da Economia notificou a filial francesa do gigante norte-americano do comércio eletrónico que teria que liquidar impostos em atraso e multas relativas aos anos de 2006 a 2010, segundo um documento citado pela agência AFP.

Contactada pela agência de notícias AFP, a Direção-Geral de Finanças Públicas francesa não quis comentar o acordo a que chegou com a Amazon, dizendo tratar-se de sigilo fiscal.

No comunicado enviado pela Amazon, a empresa não quis revelar com exatidão o valor que pagou ao Estado francês.

"Chegámos a um acordo com as autoridades fiscais francesas sobre questões relacionadas com o passado", referiu em comunicado a Amazon, lembrando que "todas as receitas, encargos, lucros e impostos relacionados com o negócio de retalho são agora contabilizados em França".

A Amazon recordou também que "investiu [em França] mais de 2.000 milhões de euros desde 2010 e criou mais de 5.000 empregos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.