Costa ouve economistas para discutir relançamento da economia

O primeiro-ministro vai ouvir académicos sobre o momento atual da economia e as medidas para o pós-pandemia.

Na semana em que se completa um mês das primeiras medidas de isolamento em Portugal, o primeiro-ministro vai reunir-se esta terça-feira, dia 13 de abril, com académicos e economistas sobre a atual crise e o momento do relançamento da economia.

António Costa vai dividir a agenda em duas partes. De manhã, o chefe do Governo vai reunir-se, por videoconferência, com cinco representantes das principais instituições oficiais estatísticas e com responsabilidade na elaboração das projeções económicas.

A partir das 10h30, o primeiro-ministro tem agendada uma reunião sob o tema "Perspetivas para a Economia Portuguesa em contexto de crise pandémica". De acordo com o gabinete de António Costa, "participam representantes de instituições nacionais que elaboram e divulgam projeções macroeconómicas: Nuno Alves, do Banco de Portugal; Nazaré da Costa Cabral, do Conselho de Finanças Públicas; Carlos Coimbra, do INE; António da Ascensão Costa, do ISEG e João Borges de Assunção, da Universidade Católica Portuguesa."

Já durante a tarde, a partir das 15h, há uma segunda reunião já virada para as opções de pós-crise do novo coronavírus.

"A reunião debruçar-se-á sobre o "Relançamento da atividade económica em contexto de crise pandémica", refere a nota do chefe do Executivo. Neste encontro, à distância, participam 20 economistas e académicos: Catarina Reis e Francisca Guedes de Oliveira, da Universidade Católica; Luís Catão e António Afonso, do ISEG; Ricardo Paes Mamede e Alexandra Ferreira Lopes, do ISCTE; Miguel Ferreira e Susana Peralta, da Universidade Nova SBE; Fernando Alexandre e João Cerejeira, da Universidade do Minho; José Caetano e Miguel Rocha de Sousa, da Universidade de Évora; Pedro Gil e Pedro Teixeira, da Universidade do Porto; Pedro Bação e Tiago Sequeira, da Universidade de Coimbra; João Amador, do Banco de Portugal; Miguel St. Aubyn, do Conselho Finanças Públicas; Ricardo Reis, da London School of Economics e Miguel Faria e Castro, da Federal Reserve Bank of St. Louis", indica o comunicado.

O primeiro-ministro quer ouvir estes economistas e académicos numa altura em que vários países europeus começam a aliviar as regras de bloqueio impostas para reduzir a propagação da doença. Em Espanha, começaram a ser levantadas algumas restrições, nomeadamente a circulação de pessoas essenciais ao funcionamento de atividades como a distribuição e retalho alimentar. Também estão permitidos os serviços de cabeleireiro ao domicílio para pessoas em situação de vulnerabilidade.

Paulo Ribeiro Pinto é jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG