Bruxelas agrava projeção de contração em Portugal para 9,8%

Bruxelas espera agora uma contração em Portugal acima da média da zona euro e da UE. Há dois meses apontava para quebras abaixo da média europeia

A Comissão Europeia agravou esta terça-feira as suas previsões económicas para Portugal este ano face aos choques da covid-19, estimando agora uma contração de 9,8% do PIB, muito acima da anterior projeção de 6,8% e da do Governo, de 6,9%.

Nas previsões intercalares de verão agora divulgadas, o executivo comunitário reviu em baixa as projeções macroeconómicas, já sombrias, da primavera para o conjunto da zona euro e da UE, mas mostra-se particularmente mais pessimista relativamente a Portugal, ao agravar a projeção de recessão em três pontos percentuais, apenas parcialmente compensada em 2021 com um crescimento de 6,0% (neste caso ligeiramente mais otimista do que os 5,8% antecipados na primavera).

O executivo comunitário espera então agora uma contração em Portugal acima da média da zona euro (-8,7%) e da UE (-8,3%), quando há dois meses estimava que ficasse abaixo, ao antecipar uma queda da economia portuguesa de 6,8%, contra 7,7% no espaço da moeda única e 7,6% no conjunto dos 27 Estados-membros.

"Com o confinamento a começar a diminuir em maio, a atividade económica está lentamente a retomar, mas para muitas empresas, tais como companhias aéreas e hotéis, é expectável que a mesma permaneça bem abaixo dos níveis registados antes da pandemia durante um longo período. O PIB deverá assim recuar 9,8% em 2020, antes de recuperar em torno dos 6% em 2021", aponta a Comissão, que adverte ainda para riscos sobretudo para o lado negativo, "devido ao forte impacto do turismo estrangeiro", setor "onde as incertezas no médio prazo permanecem significativas."

Turismo agrava cenário

O comissário europeu da Economia disse que o agravamento da projeção para a contração da economia portuguesa deve-se sobretudo a uma retoma abaixo do esperado no setor do turismo, e mencionou a reabertura tardia das fronteiras com Espanha.

Na conferência de imprensa de apresentação das previsões macroeconómicas intercalares de verão, nas quais Portugal foi o Estado-membro que viu mais agravada a projeção de contração do respetivo Produto Interno Bruto (PIB) -- Bruxelas estima agora uma recessão de 9,8%, contra 6,8% em maio --, Paolo Gentiloni admitiu que, "sim, há uma diferença nestas previsões de verão relativamente às da primavera".

"A diferença deve-se a um desempenho pior do que o esperado no primeiro trimestre e a uma recuperação mais lenta do que o previsto no turismo estrangeiro, particularmente no número de voos, e também no atraso da reabertura da fronteira com Espanha, que só aconteceu há alguns dias", apontou o comissário.

Segundo Gentiloni, esta acentuada revisão em baixa das projeções para a evolução do PIB português "confirma como a incerteza em torno de voos e do turismo global podem afetar particularmente economias muito dependentes" do setor turístico.

"Penso que como enfrentar [este problema] é uma das missões da nossa estratégia de recuperação e dos nossos pacotes [de propostas]", declarou o comissário.

Quando questionado sobre se as previsões hoje atualizadas serão tidas em conta na decisão sobre a alocação dos apoios aos Estados-membros ao abrigo do proposto Fundo de Recuperação, Gentiloni não quis alongar-se, mas disse imaginar "que a chave de alocação será discutida pelos líderes sob todos os pontos de vista, incluindo este", no Conselho Europeu de 17 e 18 de julho, no qual os chefes de Estado e de Governo da UE vão tentar 'fechar' um acordo sobre o plano de recuperação (que inclui também o orçamento plurianual para 2021-2027).

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG