Ações da Fiat Chrysler caem 16% depois de acusação de manipulação de emissões

As ações da Fiat Chrysler foram suspensas em Milão. Marca acusada de esconder que veículos ultrapassam o limite de emissões nocivas

Os títulos da Fiat Chrysler foram hoje suspensos na bolsa de Milão quando desciam mais de 16%, após informações sobre uma acusação de manipulação de emissões em veículos a 'diesel' nos Estados Unidos.

A agência ambiental norte-americana (EPA) e a agência pela preservação do ar da Califórnia, a California Air Resource Board, acusaram esta quinta-feira a Fiat Chrysler de ter usado em 104 mil veículos um dispositivo destinado a esconder que o limite de emissões nocivas foi ultrapassado.

Os veículos que possuem este sistema de manipulação dos dados são o Jeep Grand Cherokees e o Dodge Ram 1500 que estão no mercado desde 2014, segundo a Reuters.

Os reguladores acusam a empresa de não dizer que os carros tinham um dispositivo que "afeta as emissões do motor de um veículo", o que, segundo um comunicado da EPA, "é uma grave violação da lei e pode resultar em poluição prejudicial ao ar que respiramos".

A EPA está agora a investigar se este software é um dispositivo criado propositadamente para enganar as autoridades de controlo.

"Mais uma vez um grande produtor de automóveis tomou a decisão de desrespeitar as regras e foi apanhado", afirmou Mary Nichols, a diretora da agência pela preservação do ar, numa referência ao caso da Volkswagen.

A Fiat Chrysler defendeu-se num comunicado em que dizia estar "desapontada" com as agências pelas acusações. A empresa garantiu que os veículos cumprem as normas de emissões poluentes.

Na bolsa de Nova Iorque, os títulos da Fiat Chrysler registavam uma descida de 9,8% pouco depois das 15:30 (hora de Lisboa).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG