Stoichkov combate o coronavírus com alho, cebola e banhos de água quente

A antiga estrela do Barcelona cumpre a primeira semana de isolamento em Miami, nos Estados Unidos, e diz não acreditar que a época de futebol na Europa possa ser retomada.

Hristo Stoichkov, antiga estrela do futebol búlgaro, revelou esta quarta-feira, em entrevista ao jornal espanhol Mundo Deportivo , que recorre a ingredientes como a cebola e o alho para combater a infeção do covid-19. "Protegemo-nos muito. Como muito alho, cebola, bebo água quente e tomo longos banhos de água quente para me proteger deste vírus", revelou.

O ex-internacional búlgaro, de 54 anos, está a cumprir a primeira semana de quarentena em Miami, devido à pandemia do coronavírus. Apenas saiu de casa para se deslocar aos estúdios da Univision, onde está a gravar várias entrevistas a alguns dos principais jogadores do futebol mundial.

Stoichkov, antigo extremo esquerdo do Barcelona, contou ainda que não vê a filha há mais de uma semana, mas que não pode correr riscos. "Sim, estou com a Mariana, a minha esposa e a minha sogra, que tem 80 anos e é a que mais precisa de cuidados, porque o coronavírus atinge principalmente os idosos. A minha filha mora perto de mim e não vejo meu neto há uma semana, não podemos arriscar. É uma doença que é transmitida com muita facilidade", afirmou Stoichkov, com um tom desanimado.

Questionado sobre os eventos desportivos que foram cancelados, Stoichkov defendeu que dificilmente vai ser possível jogar a final da Liga dos Campeões. "Sim, tudo está parado para evitar os contágios. Na Europa, acho muito difícil que a final da Liga dos Campeões vá acontecer. Vejam como o vírus está a espalhar-se... Na Inglaterra, o primeiro-ministro já alterou a mensagem. O mais importante é a saúde e as infeções continuam a aumentar. Vamos ver o que acontece agora com os EUA. E ainda não atingiu os países, a sério. Por exemplo, na Turquia, dos 1200 casos que foram diagnosticados, há poucas mortes porque é no início de tudo, um país com 100 milhões de pessoas. Acreditas mesmo que o futebol europeu pode recomeçar? Eu estou pessimista", atirou.

Stoichkov falou ainda sobre o seu trabalho de entrevistar grandes estrelas do futebol, tendo deixado a garantia de que falou com todos os que queria. "Nunca vou entrevistar o Cristiano Ronaldo. Simplesmente não quero", limitou-se a dizer.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG