O coleccionador de arte Sérgio Ramos

Jogador do Real Madrid tem investido muito em obras de arte e tem já uma respeitável coleção, que conta com um Bansky, por exemplo.

Que Sergio Ramos é apaixonado por cavalos (a cordoaria Ramos é famosa a nível mundial e tem um cavalo campeão do mundo) já se sabia, mas que é também um colecionador de arte... nem por isso. Aos poucos o jogador do Real Madrid tem revelando nas redes sociais algumas obras que adquire. Mais do que um hobby, a arte passou a ser também um investimento para o central blanco. Há uns dias, o capitão do Real Madrid mostrou no Instagram a última obra que adquiriu: uma pintura do nova-iorquino Phil Frost, pelo qual se estima que terá pagado até 40 mil euros. "Estou muito feliz em partilhar a nossa última aquisição para a coleção Sergio Ramos: Lineage of Continuum". Estou muito emocionado com o seu trabalho e personalidade com o qual me identifico muito", escreveu o futebolista.

Em fevereiro, Sergio Ramos já tinha relevado que tanto ele como a mulher, Pilar Rubio, estavam muito ligados ao mundo da arte "porque não há melhor maneira de investir do que fazê-lo em arte e cultura ".

Agora o jornal El Mundo fez o levantamento das obras adquiridas pelo jogador e descobriu que a Sergio Ramos Collection cresceu de forma vertiginosa nos últimos cinco anos. De acordo com o jornal espanhol, o atleta está bem assessorado e tem apostado numa enorme quantidade de peças, incluindo muitos dos artistas mais conhecidos. O seu reportório conta com um Manolo Valdés, um dos artistas valenciano mais internacional, cujos trabalhos variam de 30 mil a 300 mil euros; uma peça de Juan Genovese, notável por seu realismo expressionista; duas peças de Alex Katz, pintor e escultor figurativo; uma escultura de Jaume Plensa, que é uma das joia da coleção, sendo um escultor altamente valorizado com obras entre 200 mil e 500 mil euros; e um Banksy - Banksy donut.

Um dos conselheiros de Ramos (e também seu amigo) é o pintor sevilhano Manuel León Moreno, que elogia o "nariz" e o "olho" que o central tem para a arte e o negócio. Mas há quem não acha assim tanta graça às escolhas de Sergio Ramos. Para Agustín Sabartés, um especialista em arte, a coleção do jogador é equilibrada em geral, mas errado em alguns aspetos: "A maioria dos artistas que compõem a sua coleção são relevantes, especialmente Manolo Valdés, Katz, Plensa e Banksy, que são um investimento muito bom. O resto, não é assim tão claro. Por exemplo, Genoese não é muito valorizado hoje em dia. Antes da crise de 2007, muitos pintores avant-garde, como ele, desvalorizaram."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG