Testemunhas de Bruno de Carvalho e Carlos Vieira já foram ouvidas

Comissão de Fiscalização fez as audições mas é necessário consultar documentos. Sanção não vai ser conhecida seguramente para a semana, podendo ser anunciada perto da data limite para a entrega de listas, 8 de agosto

Como o DN avançou em primeira mão na última segunda-feira Bruno de Carvalho, Carlos Vieira, ambos candidatos às eleições de 8 de setembro, e os restantes elementos do Conselho Diretivo (CD) apresentaram, na sua defesa, o pedido para serem ouvidas duas testemunhas, o que aconteceu durante esta quinta-feira.

Ao que o DN apurou, das audições resultaram a necessidade de serem consultados documentos, o que vai acontecer na próxima semana. Dessa consulta pode sair a possibilidade de ser chamada, pelo menos, mais uma testemunha. Fonte da Comissão de Fiscalização garantiu ao DN que, perante este cenário, na próxima semana não serão conhecidas as sanções aos elementos do CD que foram suspensos a 13 de junho - Bruno de Carvalho, Carlos Vieira, Rui Caeiro, Alexandre Godinho, José Quintela, Luís Gestas e Luís Roque.

Há uma data possível para serem conhecidos os castigos e que aponta para 23 de julho, ainda assim é uma previsão otimista. Depois de serem conhecidas as sanções os visados referidos anteriormente terão um prazo estipulado pela Comissão de Fiscalização para se pronunciarem. Se alguma diligência tiver ainda de ser efetuada podemos perceber que a decisão final baterá muito perto com 8 de agosto, data limite para a entrega das listas às eleições de 8 de setembro.

Parece um pormenor mas não é, porque há quem defenda que um sócio suspenso preventivamente não fique impedido de se candidatar. Ultrapassando essa data em condições de se candidatar, e ganhando as eleições, o visado pode reverter o processo disciplinar em Assembleia Geral e aqui o raciocínio é fácil de se fazer; quem ganha as eleições também consegue a anuência dos sócios para anular os procedimentos disciplinares de que é alvo.

Como o DN já explicou, para Bruno de Carvalho e Carlos Vieira é melhor, tendo em conta o cenário de eleições, serem sancionados com a expulsão, pois nesse caso um recurso que possam apresentar terá efeito suspensivo da decisão.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.