Objetivo de CR7: vencer a Champions por três clubes diferentes e igualar Seedorf

Antigo médio holandês é o único futebolista da história a quem lhe são creditadas três Ligas dos Campeões por três clubes diferentes - Ajax, Real Madrid e AC Milan

Cristiano Ronaldo é insaciável, não descansa enquanto não obtém mais um recorde que esteja ao seu alcance. O seu próximo objetivo na Juventus, para além de se sagrar campeão italiano, será o de comemorar um novo título europeu e, assim, poder conquistar a sua quarta Liga dos campeões europeus consecutiva - o único a poder gabar-se disso - e a quinta em seis anos.

Mas Ronaldo tem mais um objetivo nesta nova etapa da sua carreira: o de igualar Clarence Seedorf, antigo médio holandês campeão europeu por três clubes diferentes (Ajax, Real Madrid e AC Milan). Ronaldo conquistou a Champions uma vez pelo Manchester United (2007/08) e quatro com a camisola merengue (2013-14, 2015-16, 2016-17 e 2017-18). Falta-lhe o título europeu com a Juventus para se equiparar a Seedorf e... a Francisco Gento, até hoje o único futebolista campeão europeu por seis vezes (1955/56, 1956/57, 1957/58, 1958/59, 1959/60, 1965/66).

No entanto é bom referir que tecnicamente Seedorf não foi o único jogador a ganhar a Champions por três clubes diferentes, visto que o camaronês Samuel Eto'o juntou aos dois títulos europeus no Barcelona, um deles à custa do Manchester United de Ronaldo, um outro no Inter de Milão de José Mourinho. Porém, em 1999/2000, o avançado fez 53 minutos na fase de grupos da prova em representação Real Madrid, que se sagraria campeão europeu, e acabaria por sair em janeiro... tal como Seedorf, mas esse triunfo não é creditado nem ao camaronês, nem ao holandês. Inclusivamente a UEFA em várias publicações atribui três Ligas dos Campeões a Eto'o e quatro a Seedorf, ignorando a competição da época 1999/2000.

Em todo o caso o que importa neste momento é Cristiano Ronaldo e a sua firme ideia de se consolidar como lenda da modalidade. E para que tal suceda, a sua passagem pela Juventus só poderá ser considerada um êxito com a conquista da Liga dos Campeões. Afinal, foi também por isso que a Juventus bateu o seu recorde transferências com a aquisição de CR7.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.