Detenção de Bruno de Carvalho incendeia PGR e polícias

Após seis meses de investigação o Ministério Público (MP) deteve Bruno de Carvalho e Mustafá sem, segundo o tribunal, ter provas fortes para o seu envolvimento nas agressões aos jogadores em Alcochete

Derrapagem de prazos, precipitação na investigação, violações de segredo de justiça, provas frágeis e rutura na cooperação policial - a detenção de Bruno de Carvalho e de Nuno Mendes, conhecido como Mustafá, está a incendiar setores da Justiça e das polícias por falhas gritantes de procedimentos.

Bruno de Carvalho foi libertado esta quinta-feira porque o tribunal entendeu que não havia provas "fortes" de ter cometido os 56 crimes relacionados com as agressões aos jogadores do Sporting na Academia de Alcochete, pelos quais tinha sido indiciado pelo Ministério Público.

O mesmo em relação a Mustafá, suspeito dos mesmos crimes mais o de tráfico de estupefacientes. Apenas em relação a este crime o juiz de instrução criminal do Barreiro verificou "indícios fortes" da sua prática. Nada sobre a responsabilidade que o MP lhe imputava em relação aos incidentes de 15 de maio. O DN sabe, no entanto, que mesmo a suspeita do crime de tráfico de droga pode ser questionada pela defesa de Mustafá.

Fontes que acompanham o processo garantiram ao DN que a droga não foi encontrada com Nuno Mendes. Este foi detido junto ao Estádio, levado à "casinha" - como é conhecida a sede da Juve Leo - onde tinha sido apreendida a droga, alguma encontrada no chão, para que Mustafá ficasse ligado diretamente ao produto estupefaciente. Fonte policial diz mesmo ao DN que a associação da droga a Mustafá serviria mais tarde para pressionar o líder da Juve Leo a testemunhar contra Bruno de Carvalho. Segundo a acusação, entretanto divulgada, a cocaína apreendida estava guardada num frasco de arroz, numa sala a que só Nuno Mendes e a mulher (também constituída arguida) teriam acesso. No chão estaria o haxixe "lançado ao solo por vários indivíduos não indentificados".

Mas esta é só uma das dúvidas que começam a ser levantadas em relação à operação, liderada pela procuradora Cândida Vilar, do DIAP de Lisboa e executada pele Grupo de Intervenção e Operações Especiais (GIOE) da GNR.

Atropelo à PSP

Outra é o atropelo à PSP que se verificou. Esta é a força de segurança especializada em criminalidade ligada ao futebol e às claques - foi a PSP, aliás, que identificou a maioria dos detidos de Alcochete - e que faz a segurança dos jogos de futebol.

"Só fomos avisados em cima da hora que a GNR ia fazer buscas à "casinha" e deter o líder da Juve Leo. Ficámos alarmados. Além da questão de se tratar de uma operação na nossa área de competência, era um dia de jogo e a situação poderia causar sérios problemas de ordem pública", conta uma fonte desta força de segurança. "A cooperação policial sofreu um rude golpe", assinala.

Os protestos fizeram-se sentir ao mais alto nível. Chegaram também ao Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), dirigido por Fernanda Pêgo, e à própria Procuradoria-Geral da República, cuja nova titular, Lucília Gago, não gosta de mediatismos e vê com desagrado serem publicados muitos detalhes da investigação, violando o segredo de justiça.

As magistradas têm acompanhado com preocupação este processo e terão manifestado o seu desagrado a Cândida Vilar, por falhas que têm sido cometidas. Uma delas, conforme o DN já noticiou, foi a derrapagem no prazo para pedir o prolongamento da investigação por mais seis meses.

Isto teria sido possível, tendo em conta os crimes que estão em causa, principalmente o de terrorismo, mas a procuradora titular do processo atrasou-se no requerimento ao juiz - só solicitado no passado dia oito -, não tendo conseguido essa pretensão, por causa dos prazos que os advogados teriam para se pronunciar.

Inquérito sobre violação do segredo de justiça?

O DN questionou a PGR sobre se iria abrir algum inquérito sobre violação de segredo de justiça ou se iria proceder disciplinarmente em relação a Cândida Vilar, mas não obteve resposta até esta hora.

Terá sido esta complicação de última hora que precipitou a detenção de Bruno de Carvalho e de Mustafá, baseadas fundamentalmente, da denúncia de três arrependidos - segundo contou a revista Sábado. Sobre os outros crimes, como assinalou o juiz de Instrução Criminal do Barreiro, não havia provas fortes. Este magistrado apoiou sempre o MP nos pedidos de prisão preventiva, mas desta vez recusou.

Bruno de Carvalho e Mustafá ficaram sujeitos a apresentações diárias na esquadra da sua residência e a pagar uma caução de 70 mil euros. Estão indiciados por 20 crimes de ameaça agravada, 12 crimes de ofensa à integridade física qualificada, 20 crimes de sequestro, dois crimes de dano com violência, dois crimes de detenção de arma proibida agravado e um crime de terrorismo. Mustafá é também suspeito de tráfico de estupefacientes.

(Notícia atualizada às 16:40 de 16/11/2018 com informações da acusação deduzida pelo MP)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.