Bruno de Carvalho mentiu em tribunal? Jesus, Fernando Mendes e jornalistas desmentem versão do ex-presidente

Técnico garante que foi Bruno a mudar a hora do treino, enquanto o ex-líder da Juve Leo nega ter feito "cinco ou seus telefonemas" para ex-presidente. Já os jornalistas negam que o portão da Academia estivesse aberto a pedido dos próprios.

Depois de a RTP ter tornado público o depoimento em tribunal de Bruno de Carvalho, detido, na sequência da invasão à Academia, em Alcochete no dia 15 de maio, que terminou com as agressões a jogadores a treinadores, a versão do ex-presidente já foi colocada em causa por, pelo menos, três pessoas/entidades. Jorge Jesus, Fernando Mendes (ex-líder da Juve Leo) e os jornalistas.

Comecemos por Jorge Jesus e a hora do treino. Questionado sobre a mudança do início da sessão (era para ser quarta feira às 10:00 e passou para terça-feira às 17:00), Bruno de Carvalho disse perante o juiz que tinha sido o treinador a mudar a hora da sessão. No entanto, em declarações ao CM, o técnico do Al Hilal (Arábia Saudita) desmentiu-o: "Não, quem mudou foi ele [Bruno de Carvalho]. Agora não sei se foi com intenção de alguma coisa..."

Na opinião de Jesus, o ex-líder leonino adiou o treino porque precisava de mais tempo para ter a nota de culpa pronta com vista ao despedimento da equipa técnica antes da mesma acontecer. "Bruno de Carvalho mentiu em tribunal. O treino foi alterado das dez da manhã para as quatro da tarde, porque ele disse que precisava de tempo para que fosse criada a nota de culpa para suspender a equipa técnica", assegura o técnico, que ainda vai depor em tribunal sobre os acontecimentos do dia 15 de maio.

Ainda perante o juiz, o ex-presidente do Sporting disse que o técnico "deve ter levado uma vergastada muito levezinha". "Fui agredido outra vez e estava lá muita gente, incluindo jogadores que viram (...) Eu virei-me a alguns adeptos e disse que aquilo em Alcochete era uma traição ao Sporting. Logo a seguir levei um soco que me fez cair", lembrou Jesus.

Fernando Mendes e as conversas para ir lá dar nas orelhas aos jogadores...

Acusado de ser o mandante do ataque da Academia, Bruno de Carvalho negou em tribunal ter ordenado tal coisa, fosse a Mustafá (líder da Juve Leo) fosse a Fernando Mendes (ex-líder da Juve Leo). Algo que Mendes desmente em entrevista ao Diário de Notícias: "Ele [Bruno de Carvalho] disse para apertar com eles [jogadores], dar-lhes um puxão de orelhas".

E mais, segundo o ex-líder da Juve Leo, foi mesmo o ex-presidente a mudar a hora do treino: "Tenho pensado com os meus botões se ele não alterou a data do treino com base nessa conversa [admite que ligou ao ex-presidente apenas uma vez] mudou-o para terça-feira porque sabia que eu lá ia e calculou que atrás de mim fosse mais gente."

Segundo Bruno de Carvalho, e sem justificar como um ex-elemento da claque tinha o seu número direto, Fernando Mendes ligou-lhe "alterado" e talvez "embriagado", "umas cinco ou seis vezes". Ora, na versão de Mendes, ele ligou ao presidente, no domingo, para "lhe dar conhecimento de que tinha ido ao aeroporto falar com o Jorge Jesus e a chamada teve a duração de um minuto". E garante que depois, foi o ex-líder leonino a ligar-lhe a ele:"Os dados da minha operadora mostram que de 4 a 30 de maio há somente uma chamada de mim para o Bruno de Carvalho. Que é essa. Depois, ligou-me ele, umas cinco ou seis vezes já na madrugada de domingo para segunda-feira. Atendi uma das chamadas e estivemos mais de uma hora ao telefone."

Os jornalistas também desmentem a versão do ex-líder. Ainda segundo o depoimento de Bruno de Carvalho ao juiz Carlos Delca e a justificação para o portão da Academia estar aberto. Disse o ex-presidente que o mesmo se encontrava aberto "a pedido dos senhores jornalistas": "O portão não é fechado porque os senhores jornalistas pediram por amor de Deus ao senhor para não o fechar para eles passarem para dentro. Moral da história: quando o senhor queria fechar, já não dava para fechar."

Algo que o grupo de profissionais da Comunicação Social presente na Academia nesse dia desmentiu em comunicado."Em momento algum foi manifestado qualquer pedido com vista a que o portão das instalações não fosse encerrado, o qual de resto já se encontrava aberto antes do incidente, tendo somente alguns dos jornalistas/profissionais em causa - em particular das televisões e pela sua exposição - decidido "abrigar-se" junto da entrada do lado de dentro assim que se aperceberam da ameaça iminente", pode ler-se na missiva enviadas às redações.

Entre os 44 arguidos do processo do ataque à academia de Alcochete estão o antigo presidente do clube de Alvalade, Bruno de Carvalho, e Mustafá, líder da Juve Leo, que estão acusados, como autores morais, de 40 crimes de ameaça agravada, 19 de ofensa à integridade física qualificada, 38 de sequestro, um de detenção de arma proibida e crimes que são classificados como terrorismo, não quantificados.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.