Bas Dost numa lista de avançados que interessam ao Real Madrid

O clube espanhol está a ressentir-se da saída de Cristiano Ronaldo. Bale e Benzema juntos só têm 21 golos e por isso há cinco nomes em carteira para o mercado de janeiro. Entre o goleador do Sporting.

Faltam golos ao Real Madrid (desde 2006/07 que não tinha tão poucos golos marcados nesta altura, apenas 24 na liga espanhola) e por isso a direção do clube estuda a possibilidade de ir ao mercado de janeiro recrutar um avançado.

De acordo com o jornal espanhol AS, o clube tem identificados cinco nomes, entre eles o do holandês Bas Dost, goleador do Sporting. O avançado leonino, que chegou a rescindir contrato após o ataque à Academia, mas depois voltou atrás, está novamente num grande pico de forma, com 15 golos apontados até ao momento.

Os outros nomes da lista do Real Madrid são Icardi (Inter Milão, 13 golos), Timo Werner (Leipzig, 13 golos), Piatek (Génova, 19 golos) e Llorente (Tottenham, 1 golo).

A cláusula de rescisão de Bas Dost, recorde-se, é de 60 milhões de euros.

O Real Madrid tem vindo a ressentir-se da saída de Cristiano Ronaldo no verão. A equipa soma um total de 55 golos em 27 jogos disputados em todas as competições, e os melhores marcadores do clube são neste momento Gareth Bale (11 golos) e Benzema (10 golos). Daí que o Florentino Pérez procure soluções de urgência para a reabertura do mercado de janeiro.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.