Direção do Sporting tem de entregar cadernos eleitorais a Marta Soares

Tribunal deu razão à providência cautelar do presidente demissionário da Mesa da Assembleia Geral, Jaime Marta Soares

O Conselho Diretivo do Sporting, presidido por Bruno de Carvalho, vai ter de pagar a Assembleia Geral (AG) do clube, convocada para 23 de junho. Esta é a decisão do Tribunal de Lisboa que deu razão à providência cautelar interposta pelo presidente demissionário da Mesa da Assembleia Geral (MAG), Jaime Marta Soares.

Nesta decisão do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, tomada na quinta-feira e a que a Lusa teve acesso esta sexta-feira, é ordenada "a imediata entrega e acesso aos cadernos eleitorais do clube" a Marta Soares.

O juiz, que considera Marta Soares como "legítimo presidente da MAG", determinou ainda que o Conselho Diretivo suporte "as despesas imprescindíveis à realização da Assembleia Geral" destitutiva de 23 de junho, estimando só o aluguer da Altice Arena em 80 mil euros.

Na mesma decisão, o juiz ordenou ainda que os membros do Conselho Diretivo "se abstenham de praticar quaisquer atos que sejam incompatíveis com o exercício do cargo de presidente da MAG do Sporting Clube de Portugal, designadamente convocar, desconvocar, suspender, realizar, presidir ou por qualquer forma determinar ou exercer quaisquer funções relativas ao cargo de Presidente da MAG quanto à realização de Assembleias Gerais, ordinárias ou extraordinárias, do Sporting Clube de Portugal".

Por cada deliberação e/ou ato violador desta providência, o juiz impôs uma sanção pecuniária de cinco mil euros.

O juiz pede ainda que um oficial de justiça proceda à execução imediata da providência.

Na quinta-feira, o presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, prometeu assegurar os meios para a realização da AG de 23 de junho, na Altice Arena, em Lisboa, ressalvando que a reunião magna convocada para a destituição da direção estaria "ferida de legalidade".

"Aos sportinguistas conferimos os meios necessários para que essa Assembleia Geral, que é um julgamento público, onde não podemos estar, decorra e vamos efetuar o pagamento. Fazemos isto em nome dos sportinguistas", disse Bruno de Carvalho.

Esta declaração do presidente 'leonino' ocorreu depois de o Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa ter considerado ilegal a Comissão Transitória da MAG nomeada pela direção do Sporting, bem como as reuniões magnas por esta marcadas para 17 de junho e 21 de julho.

Esta é uma de muitas lutas judiciais que o clube enfrenta. Na quinta-feira, a direção viu o tribunal dar razão a outra providência cautelar de Jaime Marta Soares. A decisão considerava ilegal a Comissão Transitória da Mesa da Assembleia, bem como a realização de uma AG para dia 17, domingo.

A par destas batalhas judiciais entre órgãos do clube, nove jogadores do plantel principal (entre os quais Rui Patrício, William Carvalho e Bas Dost) rescindiram com o clube, na sequência das agressões de que foram alvo no balneário da Academia, a 15 de maio.

Ler mais

Exclusivos