FC Porto paga cinco milhões e desvia Marega e José Sá de Alvalade

O avançado e o guarda-redes do Marítimo eram apontados ao Sporting, mas acabaram no Dragão. Assinaram contratos válidos até 2020 e ficaram blindados com cláusulas de 40 e 30 milhões, respetivamente

Um raide de última hora, e aproveitando a presença dos dirigentes do Marítimo no Dragão devido ao jogo entre as duas equipas, no domingo à noite, permitiu ao FC Porto fechar as contratações de Marega e José Sá, avançado e guarda-redes da equipa insular que estavam a ser apontados ao Sporting.

Ao que o DN apurou, o negócio foi fechado anteontem à noite, com o FC Porto a pagar cinco milhões de euros ao Marítimo - o avançado maliano está avaliado em 3,5 milhões, o guarda-redes em 1,5, assinando ambos contratos por quatro épocas e meia (até 2020). Quanto a José Sá, o DN sabe que o guardião dos insulares estava apalavrado desde o verão, mas deverá ser cedido a um clube da I Liga até ao final desta época, provavelmente o Paços de Ferreira, que ontem perdeu Marafona para o Sporting de Braga.

Depois da novela protagonizada no início da época com o médio defensivo Danilo Pereira, jogador que a pedido de Jorge Jesus esteve quase com um pé em Alvalade, mais dois jogadores do Marítimo que estavam ser apontados aos leões acabaram no FC Porto.

Fonte do Sporting contactada pelo DN, contudo, referiu que o clube nunca equacionou a contratação do guarda-redes. Já em relação a Marega, confirmou que o avançado estava a ser seguido, mas que em nenhum momento foi apresentada uma proposta formal.

Neste mercado de janeiro, os leões já tinham perdido um jogador para os dragões. De acordo com Fernando Oliveira, presidente do V. Setúbal, o Sporting apresentou uma proposta pelo sul-coreano Suk. Mas apesar de os valores serem superiores, o avançado optou pelo FC Porto. Já no início da temporada, outro futebolista apontado a Alvalade foi parar a um rival - o avançado grego Mitroglou, neste caso desviado para o Benfica.

Blindados com 40 e 30 milhões

As transferências de Marega (24 anos) e José Sá (23 anos) foram inicialmente oficializadas ontem de manhã pelo Marítimo, com um comunicado publicado no site oficial do clube. Ao final da tarde, o FC Porto comunicou o negócio também através do site do clube, informando que a cláusula de rescisão de Marega ficou fixada em 40 milhões de euros e a de José Sá em 30. Mas em nenhum momento fez referência ao valor pago ao Marítimo.

O avançado, recorde-se, tinha atuado no domingo à noite frente ao FC Porto, mas saiu aos 32" - Nelo Vingada, treinador dos insulares, confirmou no final da partida que o maliano pediu para sair.

Marega apontou nesta temporada sete golos e estava a cumprir a sua segunda época no clube insular. O jogador pode atuar como avançado ou extremo-direito, sendo por isso uma possibilidade para render a saída do espanhol Tello, que rumou à Fiorentina.

Já José Sá era o suplente de Salin no Marítimo. Mesmo assim, nesta temporada realizou nove jogos pelos insulares (cinco na Liga, dois na Taça de Portugal e outros dois na Taça da Liga). O guardião de 23 anos esteve em bom plano no Europeu de sub-21 realizado no ano passado na República Checa, tendo até sido eleito o melhor guarda-redes do torneio. A contratação de José Sá vai permitir ao Benfica receber uma verba, pois os encarnados detêm 25% do passe do futebolista.

Leões queriam preferência

No início da época, curiosamente, quando os leões tinham praticamente tudo acertado para a transferência do médio Danilo Pereira (que acabou no FC Porto), a SAD do Sporting incluiu no contrato uma cláusula que lhe dava direito de preferência na "aquisição temporária ou definitiva" de Marega, conforme foi revelado por um documento tornado público pelo blogue Football Leaks.

Esta cláusula implicava que os leões exercessem este direito até 72 horas após o Marítimo dar conhecimento da proposta de outro clube, bastando-lhe igualar os valores. Mas como o negócio Danilo foi abortado, a cláusula foi anulada.

Apesar do alegado interesse dos leões nos dois jogadores contratados pelo FC Porto - segundo o jornal Record, as negociações estavam entregues a Sancho Freitas, assessor da SAD do Sporting que curiosamente tinha sido diretor financeiro do Marítimo -, o empresário de Marega referiu à Antena 1 desconhecer a intenção do Sporting, revelando que nunca teve conhecimento de uma proposta oficial dos leões.

Ivo Vieira, ex-treinador do Marítimo, falou dos dois jogadores em declarações à TSF, considerando que Marega é um futebolista que precisa de espaço: "Vai ter de fazer trabalho suplementar porque está mais habituado a jogar com muito espaço." Já quanto a José Sá, considerou que se trata de uma contratação "com o intuito de substituir Casillas". "Mas sabemos que equipas da dimensão do FC Porto precisam de guarda-redes de um nível superior. O trabalho dele e o seu desempenho é que vão ditar em relação ao futuro, senão não fazia sentido contratar."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.