Seis arguidos após buscas no Benfica

MPe PJ suspeitam de fraude fiscal e branqueamento de capitais. Benfica confirma investigação que envolve "empresas terceiras"

O Benfica foi alvo de novas buscas desencadeadas pelo Ministério Público e a Polícia Judiciária na terça-feira. Foram constituídos seis arguidos, três pessoas singulares e três coletivas, segundo um comunicado da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

Em causa estão suspeitas de fraude fiscal e branqueamento de capitais, segundo a mesma fonte, que dá conta da emissão de três mandados de busca domiciliária e cinco não domiciliária. Entre estes, dois às sociedades Sport Lisboa e Benfica SAF e Benfica Estádio Construção Gestão Estádios, SA.

"Indicia-se suficientemente nos autos que estas sociedades, a coberto de uma suposta prestação de serviços de consultoria informática, realizaram várias transferências bancárias para uma conta titulada por uma outra sociedade, num valor total de 1.896.660,00€, montantes esses que acabavam depois por ser levantados em numerário. Esta última sociedade terá sido utilizada com o único propósito de retirar dinheiro das contas do Benfica", diz o comunicado.

O Jornal de Notícias escreve na sua edição de hoje que a investigação procura "esclarecer se os montantes faturados por várias empresas ao Benfica tinham na sua base efetivas prestações de serviços ou se foram apenas uma forma de justificar a saída de alguns milhões de euros das contas dos 'encarnados'".

A investigação, escreve o JN, resulta de uma denúncia feita há um ano e está a decorrer numa secção especializada em crimes fiscais e branqueamento de capitais da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária.

O Benfica confirmou uma investigação que envolve "empresas terceiras" e avança com queixa-crime, repudiando "com tota a veemência" a notícia do JN.

"O Sport Lisboa e Benfica não pode deixar de realçar que mais uma vez funcionou uma ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA, mais uma vez fomos levianamente difamados e mais uma vez assistimos a uma violação grosseira do segredo de justiça, desvirtuando factos e procurando centrar no SLB a investigação", diz o comunicado do Benfica, falando em "perseguição criminal".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?