Seis arguidos após buscas no Benfica

MPe PJ suspeitam de fraude fiscal e branqueamento de capitais. Benfica confirma investigação que envolve "empresas terceiras"

O Benfica foi alvo de novas buscas desencadeadas pelo Ministério Público e a Polícia Judiciária na terça-feira. Foram constituídos seis arguidos, três pessoas singulares e três coletivas, segundo um comunicado da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

Em causa estão suspeitas de fraude fiscal e branqueamento de capitais, segundo a mesma fonte, que dá conta da emissão de três mandados de busca domiciliária e cinco não domiciliária. Entre estes, dois às sociedades Sport Lisboa e Benfica SAF e Benfica Estádio Construção Gestão Estádios, SA.

"Indicia-se suficientemente nos autos que estas sociedades, a coberto de uma suposta prestação de serviços de consultoria informática, realizaram várias transferências bancárias para uma conta titulada por uma outra sociedade, num valor total de 1.896.660,00€, montantes esses que acabavam depois por ser levantados em numerário. Esta última sociedade terá sido utilizada com o único propósito de retirar dinheiro das contas do Benfica", diz o comunicado.

O Jornal de Notícias escreve na sua edição de hoje que a investigação procura "esclarecer se os montantes faturados por várias empresas ao Benfica tinham na sua base efetivas prestações de serviços ou se foram apenas uma forma de justificar a saída de alguns milhões de euros das contas dos 'encarnados'".

A investigação, escreve o JN, resulta de uma denúncia feita há um ano e está a decorrer numa secção especializada em crimes fiscais e branqueamento de capitais da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária.

O Benfica confirmou uma investigação que envolve "empresas terceiras" e avança com queixa-crime, repudiando "com tota a veemência" a notícia do JN.

"O Sport Lisboa e Benfica não pode deixar de realçar que mais uma vez funcionou uma ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA, mais uma vez fomos levianamente difamados e mais uma vez assistimos a uma violação grosseira do segredo de justiça, desvirtuando factos e procurando centrar no SLB a investigação", diz o comunicado do Benfica, falando em "perseguição criminal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".