Quadro de Josefa D´Óbidos comprado por instituição pública dos EUA

A obra, intitulada "Menino Jesus Peregrino", encontrava-se à venda por 600 mil euros. Não foi revelado o nome do novo proprietário.

Um quadro da pintora portuguesa do século XVII Josefa D'Óbidos, que se encontrava à venda na Feira de Arte e Antiguidades de Maastricht, nos Países Baixos, foi vendido a uma instituição pública dos Estados Unidos, foi esta terça-feira anunciado.

A obra, intitulada "Menino Jesus Peregrino", encontrava-se à venda por 600 mil euros no expositor do galerista luso-francês Philippe Mendes, que não revelou o valor final ou a instituição norte-americana que a adquiriu.

Além desta pintura de Josefa D´Óbidos, que continua exposta no certame, também foi vendido, segundo o comunicado do galerista, um quadro de "elevado valor" dos séculos XVI/XVII, representando "S. Vicente", do artista primitivo português Garcia Fernandes.

Esta peça foi vendida a um colecionador privado alemão, especialista em pintura do sul da Europa, cujo nome também não foi revelado.

No expositor, a Galeria Philippe Mendes, com sede em Paris, encontra-se igualmente à venda o quadro de Columbano Bordalo Pinheiro "Na Floresta de Fontainebleau" (retrato de Artur Loureiro, 1882), no valor de 450 mil euros.

A Feira de Arte e Antiguidades de Maastricht, uma das maiores do mundo no setor, é organizada pela European Fine Art Foundation (TEFAF) desde 1988, e recebe anualmente cerca de 80 mil visitantes.

Referência internacional no mercado de arte e antiguidades, o certame é visitado por curadores, diretores e conservadores de museus, peritos de leiloeiras, antiquários e colecionadores de todo o mundo.

Arte antiga, moderna e contemporânea, desde pintura, escultura, desenhos e iluminuras, fotografia, e ainda manuscritos, livros, joalharia e objetos de design de todo o mundo são anualmente apresentados na feira de arte e antiguidades de Maastricht.

Em 2018, a TEFAF concedeu 25.000 euros ao Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, para apoiar os trabalhos de restauro dos azulejos dos séculos XVII a XVIII da Capela das Albertas, iniciados nesse ano.

A entidade - que realiza em Maastricht, há mais de 30 anos, a Feira de Arte e Antiguidades - criou um fundo, em 2012, para ajudar museus e instituições de todo o mundo a restaurar e conservar obras de arte das suas coleções.

O certame é reconhecido no meio por manter critérios muito rigorosos de seleção das peças, razão pela qual é visitada por colecionadores individuais ou entidade públicas e privadas, e representantes de museus de todo o mundo para adquirir obras para as suas coleções.

Também publica anualmente um relatório sobre o mercado de arte, com números e análises de especialistas do setor.

De regresso após dois anos de interregno por causa da pandemia, a Feira de Arte e Antiguidades de Maastricht decorre até quinta-feira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG