Nirvana processam Marc Jacobs por usar "sorriso" desenhado por Kurt Cobain

Estilista relançou "Coleção grunge" de 1992 mas os Nirvana não gostaram de ver lá uma imitação do símbolo da banda

Em 1992, antes ainda de ser uma das estrelas da moda nova-iorquina e de ter assumido a direção criativa da casa Louis Vuitoon, o estilista Marc Jacobs tinha 29 anos e trabalhava na marca americana de roupa desportiva Perry Ellis. Foi aí que criou a coleção grunge, numa referência à cena musical de Seattle que incluía nomes como Nirvana, Pearl Jam ou Alice in Chains. Não se pode dizer que tenha sido um grande sucesso e o estilista acabou até por ser dispensado, mas foi a coleção foi tão falada que acabou por tornar conhecido do grande público o nome de Marc Jacobs.

Em novembro passado, relançou essa coleção com o olhar de 2018, agora com a sua marca própria.

A surpresa aconteceu ainda antes do ano terminar: os Nirvana apresentaram uma queixa num tribunal da Califórnia, acusando Marc Jacobs de infringir os direitos de autor. Isto porque a nova coleção usa um símbolo de um sorriso muito semelhante àquele que foi criado por Kurt Cobain em 1991, registado como símbolo da banda em 1993 e que desde então é usado em várias peças de merchandising.

O grupo alega ainda que Jacobs usou, sem autorização, frases de canções dos Nirvana, como "smells like teen spirit" e "come as you are" em materiais publicitários. Os representantes dos Nirvana pedem a retirada dos produtos (uma t-shirt, uma camisola e umas meias) do mercado e das referências ao grupo, assim como uma indemnização monetária.

Marc Jacobs usa de facto uma imagem de sorriso muito parecida à dos Nirvana mas em vez de olhos em cruzes tem as suas iniciais, M e J; e em vez da palavra Nirvana colocou "Heaven" ("céu").

Exclusivos