Premonição de John Lennon inspira livro infantil do filho

O Beatle John Lennon contou ao filho uma premonição antes de morrer assassinado a tiro em 1980. Julian foi confrontado anos depois com a concretização do que o pai lhe dissera e escreveu um livro para crianças.

Vamos Ajudar a Terra é um livro de autoria de Julian Lennon. Por mais que não se queira, o apelido leva o leitor imediatamente numa viagem ao passado, à vida do Beatle John Lennon, e à canção Imagine, em que a letra fala dos problemas que o planeta atravessa e que também são o tema deste livro infantil.

O próprio Julian Lennon remete para o pai a razão de ter escrito este livro para crianças tantos anos depois da sua morte. Conta que num dos raros encontros entre ambos - Julian é filho de Chyntia, a primeira mulher do músico - o pai lhe dissera que "quando falecesse haveria uma forma de demonstrar que ia ficar bem e que todos íamos ficar bem". Segundo Julian, o pai enviar-lhe-ia uma mensagem sob a forma de uma pena branca e foi o que aconteceu anos depois: "Durante uma viagem pela Austrália [a promover um seu disco], recebi das mãos de uma anciã aborígene, do povo Mirning, que procurava ajuda para a sua tribo, uma pena branca. Fiquei sem fôlego."

Para o também músico com vários discos editados, este foi um momento tão estranho como aquele em que o pai lhe fizera a premonição e decidiu fazer alguma coisa para ajudar algumas das populações mais desprotegidas do planeta. O que veio a acontecer, pois as atividades da Fundação Pena Branca já produziram resultados no Quénia e na Etiópia, países onde colaboraram em iniciativas no campo da saúde e do fornecimento de água potável.

O livro conta a viagem de um avião mágico que o piloto - o jovem leitor - pode conduzir pelo mundo fora e fazer da Terra um sítio melhor para toda a humanidade. Nada que os versos de Imagine não pedissem aos milhões que ouviram esta canção quando Lennon cantava "Imaginem toda a gente a viver em paz", entre outros versos com sugestões para que a Terra fosse um mundo diferente e melhor.

Através do livro as crianças são convidadas a carregar nos comandos do avião da Pena Branca e ajudarem nas várias atividades relacionadas com a água. Podem imaginar a aeronave a mergulhar nos oceanos para observar a poluição que mata os peixes ou visitar os lugares do mundo onde as pessoas não têm água para beber.

Uma parte das receitas da venda deste livro destinam-se à fundação de Julian Lennon, sobre quem Bono, o vocalista dos U2, já disse ser um admirador porque "as suas melodias têm um certo encanto infantil".

Vamos Ajudar a Terra

De Julian Lennon, com Bart Davis e ilustrações de Smiljana Coh

Edições ASA

48 páginas

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.