Morreu Maria José Mauperrin, uma das vozes mais conhecidas da rádio portuguesa

Locutora trabalhou na Emissora Nacional, Rádio Clube Português e Rádio Comercial

A locutora e realizadora de programas Maria José Mauperrin, que passou pela Emissora Nacional, Rádio Clube Português e Rádio Comercial, sendo uma das vozes mais conhecidas da rádio portuguesa, morreu esta sexta-feira, em Lisboa, aos 89 anos.

Segundo a informação dada à agência Lusa por familiar, Maria José Mauperrin morreu no hospital, onde estava internada há dias.

Maria José Mauperrin foi a primeira realizadora de rádio em Portugal e uma das primeiras locutoras, tendo dado voz e criado programas na Emissora Nacional, Rádio Clube Português e Rádio Comercial.

Ficou conhecida pelos programas "Café Concerto" e "Quatro temas em dezembro".

Além da rádio, foi colaboradora do jornal Expresso durante vários anos e fez várias peças jornalísticas com foco na área cultural, como reportagens e entrevistas a personalidades de relevo.

Era mãe do jornalista Mário de Carvalho, que trabalhou na Lusa.

Numa nota entretanto divulgada, a família afirma que Maria José Mauperrin "viveu uma vida preenchida, com o amor e carinho de familiares e amigos que lembram com saudade o seu conhecimento e inteligência".

O velório de Maria José Mauperrin realiza-se no domingo, entre as 17:00 e as 21:00, no Centro Funerário Santa Joana Princesa, em Lisboa. Depois será cremada na segunda-feira, numa cerimónia privada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.