Morreu a atriz Laura Soveral

A atriz tinha 85 anos e sofria de esclerose lateral amiotrófica. Entrou no filme "Uma Abelha na Chuva", em 1972, e em séries de televisão como "Morangos com Açúcar".

A atriz Laura Soveral tinha 85 anos. Trabalhou em teatro, cinema e televisão. Entre os muitos trabalhos que fez, participou em Uma Abelha na Chuva (1972), de Fernando Lopes, e em Tabu, de Miguel Gomes (2015).

Entre os prémios que recebeu destacam-se o Prémio Bordalo, em 1968, e o Prémio Sophia de Carreira, em 2014.

Laura Soveral nasceu em Benguela, Angola, em 1933. Foi em Lisboa que começou a sua carreira como atriz, no Grupo Fernando Pessoa, dirigido por João d'Ávila. Estudou Filologia Germânica na Faculdade de Letras e depois mudou-se para o Conservatório Nacional.

Em 1968 recebeu o prémio de Melhor Atriz de Cinema, do SNI, pela sua participação em Estrada da Vida, de Henrique Campos. No teatro, nesses primeiros tempos, destacou-se em O Processo de Kafka (1970), com o Grupo de Ação Teatral e encenação de Artur Ramos, ao lado de Sinde Filipe, Victor de Sousa, Santos Manuel, Glicínia Quartim e muitos outros. E depois também em Depois da Queda, de Arthur Miller, também encenada por Artur Ramos, com atores como Rogério Paulo, Lourdes Noberto e outros.

Em 1972, participou no filme Uma Abelha na Chuva, de Fernando Lopes, que adaptava o romance de Carlos de Oliveira e foi uma das obras marcantes do Cinema Novo.

Depois do 25 de Abril viveu no Brasil onde chegou a participar em telenovelas da Globo, como por exemplo O Casarão. No regresso aos palcos portugueses, pudemos vê-la em A Segunda Vida de Francisco de Assis, no Teatro Aberto (1987), numa encenação de Norberto Barroca. Com a Cornucópia fez Primavera Negra, em 1993, encenada por Luís Miguel Cintra. Nos anos 1990, fez vários espetáculos com A Barraca.

No cinema, entrou em filmes como Francisca, Vale Abraão e A Divina Comédia, de Manoel de Oliveira, O Fatalista e Tráfico, de João Botelho, e O Delfim, de Fernando Lopes, entre muitos outros.

Recorde Laura Soveral no filme Tabu, em 2015:

Nos últimos anos, trabalhou sobretudo em televisão. O seu último trabalho foi a telenovela da TVI Belmonte. Participou em séries como Morangos com Açúcar, Chiquititas, Liberdade 21, Tempo de Viver, Ricardina e Marta e Passerelle, entre muitas outras, nos vários canais.

A Academia Portuguesa de Cinema distinguiu-a em 2013, com o Prémio Carreira e, em 2017, com o Prémio Bárbara Virgínia, de homenagem a mulheres do cinema português. Na altura, a academia disse que Laura Soveral representava "um extraordinário exemplo de determinação e profissionalismo para gerações futuras".

Laura Soveral sofria de ELA - esclerose lateral amiotrófica e encontrava-se internada no Hospital de Santa Maria, em Lisboa. Doou o seu corpo à ciência, pelo que não haverá cerimónias fúnebres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.