Morreu a atriz Laura Soveral

A atriz tinha 85 anos e sofria de esclerose lateral amiotrófica. Entrou no filme "Uma Abelha na Chuva", em 1972, e em séries de televisão como "Morangos com Açúcar".

A atriz Laura Soveral tinha 85 anos. Trabalhou em teatro, cinema e televisão. Entre os muitos trabalhos que fez, participou em Uma Abelha na Chuva (1972), de Fernando Lopes, e em Tabu, de Miguel Gomes (2015).

Entre os prémios que recebeu destacam-se o Prémio Bordalo, em 1968, e o Prémio Sophia de Carreira, em 2014.

Laura Soveral nasceu em Benguela, Angola, em 1933. Foi em Lisboa que começou a sua carreira como atriz, no Grupo Fernando Pessoa, dirigido por João d'Ávila. Estudou Filologia Germânica na Faculdade de Letras e depois mudou-se para o Conservatório Nacional.

Em 1968 recebeu o prémio de Melhor Atriz de Cinema, do SNI, pela sua participação em Estrada da Vida, de Henrique Campos. No teatro, nesses primeiros tempos, destacou-se em O Processo de Kafka (1970), com o Grupo de Ação Teatral e encenação de Artur Ramos, ao lado de Sinde Filipe, Victor de Sousa, Santos Manuel, Glicínia Quartim e muitos outros. E depois também em Depois da Queda, de Arthur Miller, também encenada por Artur Ramos, com atores como Rogério Paulo, Lourdes Noberto e outros.

Em 1972, participou no filme Uma Abelha na Chuva, de Fernando Lopes, que adaptava o romance de Carlos de Oliveira e foi uma das obras marcantes do Cinema Novo.

Depois do 25 de Abril viveu no Brasil onde chegou a participar em telenovelas da Globo, como por exemplo O Casarão. No regresso aos palcos portugueses, pudemos vê-la em A Segunda Vida de Francisco de Assis, no Teatro Aberto (1987), numa encenação de Norberto Barroca. Com a Cornucópia fez Primavera Negra, em 1993, encenada por Luís Miguel Cintra. Nos anos 1990, fez vários espetáculos com A Barraca.

No cinema, entrou em filmes como Francisca, Vale Abraão e A Divina Comédia, de Manoel de Oliveira, O Fatalista e Tráfico, de João Botelho, e O Delfim, de Fernando Lopes, entre muitos outros.

Recorde Laura Soveral no filme Tabu, em 2015:

Nos últimos anos, trabalhou sobretudo em televisão. O seu último trabalho foi a telenovela da TVI Belmonte. Participou em séries como Morangos com Açúcar, Chiquititas, Liberdade 21, Tempo de Viver, Ricardina e Marta e Passerelle, entre muitas outras, nos vários canais.

A Academia Portuguesa de Cinema distinguiu-a em 2013, com o Prémio Carreira e, em 2017, com o Prémio Bárbara Virgínia, de homenagem a mulheres do cinema português. Na altura, a academia disse que Laura Soveral representava "um extraordinário exemplo de determinação e profissionalismo para gerações futuras".

Laura Soveral sofria de ELA - esclerose lateral amiotrófica e encontrava-se internada no Hospital de Santa Maria, em Lisboa. Doou o seu corpo à ciência, pelo que não haverá cerimónias fúnebres.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.