Madonna na capa da Vogue italiana: focada no futuro e em Lisboa

O plano era fazer uma retrospetiva da carreira e da vida da cantora, que completa 60 anos em agosto. Madonna propôs outro ângulo: falar de como tudo mudou desde que vive em Portugal. O artigo é sobre a cantora, mas também sobre Lisboa e Arrábida, o fado e o Tejo

Madonna é a capa de agosto da revista Vogue italiana e Lisboa é o centro da entrevista. A cantora foi fotografada nas ruas da capital portuguesa e no Parque Natural da Arrábida. A ideia seria celebrar os 60 anos da artista, mas a intérprete de "Like a Virgin" preferiu falar sobre o futuro e não escondeu que este passa por Portugal, onde vive atualmente.

"Ela não quer falar sobre o passado", disse o diretor criativo da Vogue Italia, Giovanni Bianco, à Women's Wear Daily (WWD). Então, aquele que seria um artigo de fundo sobre a carreira e os 60 anos de vida da cantora, que completa precisamente em agosto, acabou por ser uma ode a Portugal.

"Just one day out of life" (Apenas um dia fora do quotidiano) é o tema de capa, onde Madonna fala sobretudo da transformação que a sua vida sofreu com a mudança para Lisboa.

"É a história de uma nova vida, da sua mudança para Portugal para ajudar o filho David a jogar futebol - é incrível pensar em Madonna como uma mãe de um futebolista", lê-se no artigo. "Ela propôs o ângulo de Lisboa e acabou por ser uma entrevista muito pessoal, mais interessante do que fazer uma retrospetiva da artista ou uma história sobre os seus projetos", lê-se ainda.

A entrevista acaba por focar-se nos filhos da cantora, na sua paixão pela música e por cavalos, bem como no seu projeto social "Raising Malawi".

As fotografias, da autoria de Mert Alas e Marcus Piggot, foram tiradas nas ruas de Lisboa e na Herdade do Peru, no Parque Natural da Arrábida, mas também aparece o bar preferido da artista, o "Tejo", descrito "como um laboratório" onde a música de Cabo Verde se cruza com a música portuguesa, "com o fado", influências que irão surgir no próximo álbum em que a cantora está a trabalhar, avança ainda o artigo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.