Livraria Lello compra Teatro Sá da Bandeira por 3,5 milhões de euros

A compra foi disputada com o antigo selecionador António Oliveira. Imóvel terá de manter a sua função como teatro.

O Teatro Sá da Bandeira, no Porto, foi comprado esta quinta-feira por 3,5 milhões de euros pela Livraria Lello.

O valor base de licitação eram 2,19 milhões de euros. De acordo com o JN, a compra foi disputada com António Oliveira, antigo jogador de futebol e ex-selecionador nacional, e também proprietário da Brasileira, em frente ao Teatro Sá da Bandeira, que não foi além dos 3,2 milhões de euros.

Tratando-se de um imóvel classificado pela Direção-Geral do Património Cultural, e de acordo com os termos da hasta pública, autorizada pela câmara, o edifício deverá manter-se como teatro "não podendo [o novo proprietário] afetá-lo a um uso distinto.

O leilão não se fez sem polémica, contudo. Após a compra, a Livraria Lello submeteu um requerimento para contestar o eventual direito de preferência dos arrendatários e ameaçou avançar com uma ação judicial.

"A Lello pretende isto [o Teatro Sá da Bandeira] para exercer essa atividade, licitou por causa dessas condições especiais impostas e interporá imediatamente uma ação judicial no sentido de ser reconhecido esse direito", afirmou em declarações aos jornalistas, no final da hasta pública do imóvel, o advogado da Lello, Amílcar Fernandes.

Questionado pelos jornalistas, Dino Gomes, da empresa Rocha Brito e Vigoço, responsável pela gestão do Teatro Sá da Bandeira, disse que a empresa vai avaliar se vai exercer o direito de preferência pelo valor de 3,5 milhões euros e acusou a Câmara Municipal do Porto de "funcionar indiretamente como um especulador imobiliário".

Rui Moreira justificou a alienação do teatro por considerar esgotada a utilidade de manter no património público. "Não necessitando o município de mais equipamentos culturais e não tendo sido essa necessidade a motivar o exercício do direito de preferência, considera-se esgotada a utilidade de manter no património público o edifício em questão, razão pela qual agora pode ser alienado", justificou, quando avançou para a hasta pública em março passado.

A Livraria Lello, situada também no centro da cidade do Porto, inaugurada em 1906, é considerada uma das mais belas livrarias do mundo e é atualmente um dos locais mais turísticos da cidade - no verão chega a receber mais de 100 mil pessoas por mês.

Exclusivos