Ler um livro na cabine da PT

Santa Maria Maior ganhou hoje uma microbiblioteca numa cabine telefónica, fruto de iniciativa da Fundação PT em parceria com a junta

Valorizar a leitura "como direito humano e condição do livre exercício da cidadania cultural" é o mote sob o qual a Altice Portugal, através da Fundação PT, inaugurou hoje a primeira microbiblioteca na zona histórica de Lisboa, nascida a partir de uma antiga cabine telefónica. Com presença do presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, do presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, e da subcomissária do Plano Nacional de Leitura, Elsa Conde, foi sublinhado o papel do livro enquanto "ferramenta fundamental de apoio à literacia e ao sentido crítico que uma sociedade tecnológica e tão rica em informação exige".

Tal como as outras duas dezenas de microbibliotecas já distribuídas um pouco por todo o país, incluindo Açores e Madeira, também esta é dinamizada pela Fundação PT, que reaproveita antigas cabines telefónicas e, em parceria com entidades autárquicas ou outras, "assegura a sua adaptação, colocação e dinamização com o objetivo de estreitar laços comunitários, exercitar a cidadania e fomentar a leitura num espaço totalmente inesperado, com o mote: Levar, doar, ler, devolver", explica a Fundação.

"Por mais gigas que possam ser consumidos na rede da Altice Portugal, não é comparável nem será mensurável o valor aportado pelo livro e a leitura na formação e na construção do pensamento, desde a raiz, desde as primeiras leituras, desde a escolaridade infantil. É nesse pressuposto que a Altice Portugal, através da Fundação PT, endereça este projeto, enquadrado numa lógica de responsabilidade social e enraizamento da cidadania", comentou no evento Alexandre Fonseca.

Autênticas bibliotecas comunitárias, as antigas cabines telefónicas da Altice Portugal permitem materializar uma iniciativa de promoção da leitura pela integração no seu interior, não de um telefone público, mas de um conjunto de livros, numa consagração do ato de ler.

"Integrar na freguesia que reúne os bairros mais emblemáticos de Lisboa a microbiblioteca da Altice Portugal evidencia a preparação e a vocação de Santa Maria Maior para acolher projetos de cariz cultural e, com a particularidade deste, com enfoque no valor não mensurável, mas essencial, da leitura", reagiu o Presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, que não quis faltar à inauguração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?