Ler um livro na cabine da PT

Santa Maria Maior ganhou hoje uma microbiblioteca numa cabine telefónica, fruto de iniciativa da Fundação PT em parceria com a junta

Valorizar a leitura "como direito humano e condição do livre exercício da cidadania cultural" é o mote sob o qual a Altice Portugal, através da Fundação PT, inaugurou hoje a primeira microbiblioteca na zona histórica de Lisboa, nascida a partir de uma antiga cabine telefónica. Com presença do presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, do presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, e da subcomissária do Plano Nacional de Leitura, Elsa Conde, foi sublinhado o papel do livro enquanto "ferramenta fundamental de apoio à literacia e ao sentido crítico que uma sociedade tecnológica e tão rica em informação exige".

Tal como as outras duas dezenas de microbibliotecas já distribuídas um pouco por todo o país, incluindo Açores e Madeira, também esta é dinamizada pela Fundação PT, que reaproveita antigas cabines telefónicas e, em parceria com entidades autárquicas ou outras, "assegura a sua adaptação, colocação e dinamização com o objetivo de estreitar laços comunitários, exercitar a cidadania e fomentar a leitura num espaço totalmente inesperado, com o mote: Levar, doar, ler, devolver", explica a Fundação.

"Por mais gigas que possam ser consumidos na rede da Altice Portugal, não é comparável nem será mensurável o valor aportado pelo livro e a leitura na formação e na construção do pensamento, desde a raiz, desde as primeiras leituras, desde a escolaridade infantil. É nesse pressuposto que a Altice Portugal, através da Fundação PT, endereça este projeto, enquadrado numa lógica de responsabilidade social e enraizamento da cidadania", comentou no evento Alexandre Fonseca.

Autênticas bibliotecas comunitárias, as antigas cabines telefónicas da Altice Portugal permitem materializar uma iniciativa de promoção da leitura pela integração no seu interior, não de um telefone público, mas de um conjunto de livros, numa consagração do ato de ler.

"Integrar na freguesia que reúne os bairros mais emblemáticos de Lisboa a microbiblioteca da Altice Portugal evidencia a preparação e a vocação de Santa Maria Maior para acolher projetos de cariz cultural e, com a particularidade deste, com enfoque no valor não mensurável, mas essencial, da leitura", reagiu o Presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, que não quis faltar à inauguração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.