O livro que revela os segredos no Armário do Vaticano

Publicada esta quinta-feira, No Armário do Vaticano - Poder, Hipocrisia e Homossexualidade é o retrato de como a homossexualidade está presente na Igreja Católica, do Vaticano a Portugal

Portugal não deixa de estar representado na investigação que o jornalista Frédéric Martel fez nos últimos quatro anos em vinte países sobre a homossexualidade na Igreja Católica. O autor veio duas vezes ao nosso "pequeno país católico" e escreve quatro páginas em que apenas aponta um nome: o ex-bispo auxiliar de Lisboa e vice-reitor da Universidade Católica, Carlos Azevedo. De raspão e em três linhas ainda deixa nota da união de "um dos mais destacados tradutores da Bíblia (Septuaginta) do grego para o português, Frederico Lourenço, professor universitário que casou publicamente com o seu companheiro".

O volume de 646 páginas contém centenas de casos e percorre o planeta católico de uma ponta à outra para concluir que existe uma "face escondida da Igreja" de que resulta a sua investigação: "Um sistema construído desde os mais pequenos seminários até ao Vaticano, assente sobre uma vida homossexual escondida e sobre a mais radical homofobia".

Frédéric Martel socorre-se das palavras do Papa Francisco, que esta quinta-feira dá início à Cimeira sobre o Abuso Sexual que convocou no ano passado e onde estarão presentes os mais altos dignitários da Igreja Católica, ao ter dito que "por detrás da rigidez há sempre qualquer coisa escondida: em inúmeros casos, uma vida dupla".

É a investigação dessa vida dupla que o jornalista francês, homossexual, faz no seu livro, comparando o Vaticano à cidade bíblica de Sodoma, um local onde "se encontra uma das maiores comunidades homossexuais do mundo".

No que respeita ao clero português, é Carlos Azevedo quem surge como protagonista de um escândalo que pretende "ostracizar o pobre prelado". Martel considera que esse "escândalo Azevedo" não é "tanto sobre a eventual homossexualidade de um arcebispo, como na chantagem de que foi alvo" e regista o depoimento que ouviu do português: "Muito digno, Azevedo nunca falou publicamente do seu drama, que o foi ainda mais porque era o 'diretor espiritual' daquele que o acusou, acrescentando que o 'rapaz era maior e nunca houve abusos sexuais'".

Frédéric Martel usa o episódio português mais como exemplo das manobras de bastidores da Igreja do que para apontar a homossexualidade entre os responsáveis católicos em Portugal, ouvindo várias fontes para concluir que Carlos Azevedo foi um peão numa armadilha para o impedir ser nomeado patriarca de Lisboa e cardeal.

Para o autor, a acusação de Carlos Azevedo foi o pretexto de Roma para se vingar da "neutralidade do episcopado de Lisboa" contra a lei do casamento homossexual, designadamente a do anterior patriarca José Policarpo, num país onde, diz, ficou "surpreendido pela moderação política" sobre questões que o papa Bento XVI considerava não serem aceitáveis. Este papa tinha em Carlos Azevedo o seu "homem-chave", responsável pela organização da viagem papal a Portugal, "decidida oportunamente para tentar contrariar a lei sobre o casamento" e que tinha "grandes ambições para o seu protegido".

Segundo o autor, após ter dado nas vistas do papa, a ascensão de Carlos Azevedo "não poderia já ser travada", mas o facto de ter escolhido um "closeted" [no armário] foi usado contra Carlos Azevedo e "os rumores sobre a sua homossexualidade surgem rapidamente". Acrescenta: "São tais que a carreira de Azevedo fica comprometida" e é criado um cargo pelos "próximos de Ratzinger" à sua medida e "um título para o infeliz prelado", sendo nomeado 'delegato' do Conselho Pontifício para a Cultura em Roma.

No Armário do Vaticano resulta de uma investigação em que foram ouvidas mais de 1500 pessoas em trinta países e no Vaticano. Entre os inquiridos estão "41 cardeais, 52 bispos e monsignori, 45 núncios apostólicos e embaixadores estrangeiros e mais de duas centenas de padres e seminaristas". O autor socorreu-se de cerca de 80 investigadores, correspondentes e conselheiros para radiografar a questão.

Segundo Frédéric Martel o "Vaticano tem uma comunidade homossexual que se conta entre as mais elevadas do mundo", comparando-a com o bairro homossexual mais emblemático de São Francisco e duvidando que lá "haja tantos homossexuais". Considera que voltou atrás no tempo muitas vezes, principalmente no caso dos cardeais mais velhos: "A sua juventude tempestuosa e os seus anos brejeiros, antes da libertação gay, explicam a sua vida dupla e a sua homofobia à antiga".

"O Vaticano tem uma comunidade homossexual que se conta entre as mais elevadas do mundo"

Define o seu livro em sentido diferente de trabalhos de investigação anteriores: "Ao contrário desses vaticanistas que denunciam 'derivas' individuais mas ocultam o 'sistema´", preferiu "focar-se nas grandes leis" e compreender "o seu segredo e o seu modo de vida coletivo". Confessa que não pretende "denunciar esses homens, nem submetê-los a uma saída do armário em vida", antes à "necessidade de divulgar um sistema".

Martel é da opinião que "um padre ou um cardeal não deve ter a menor vergonha de ser homossexual" e que até deveriam ter "um estatuto social". No entanto, garante que "sem esta grelha de leitura, a história recente do Vaticano e da Igreja romana fica opaca" e que ao ignorar-se a "dimensão largamente homossexual privamo-nos de uma das principais chaves de compreensão da maior parte dos factos que mancharam a história do Vaticano nas últimas décadas". Segundo afirma, a "dimensão gay não explica tudo, mas é decisiva para compreender as posturas morais do Vaticano".

No Armário do Vaticano - Poder, Hipocrisia e Homossexualidade
Frédéric Martel
Editora Sextante
646 páginas
Chega hoje às livrarias

Ler mais

Exclusivos

Premium

Operação Marquês

Granadeiro chama 5.º mais rico do mundo para o defender

O quinto homem mais rico do mundo, o mexicano Carlos Slim Helú, é uma das 15 testemunhas que Henrique Granadeiro nomeou para serem ouvidas na fase de instrução do processo Marquês. Começa hoje a defesa do antigo líder da Portugal Telecom, que é acusado de ter recebido 24 milhões de euros do GES para beneficiar o grupo em vários negócios.