Drake bate recorde dos Beatles com sete músicas no Top 10 da Billboard

O cantor e compositor canadiano Drake tem sete temas no Top 10 da Billboard em simultâneo, batendo os Beatles que chegaram a ter cinco em 1964.

O tema Nice For What volta agora ao topo da tabela depois de ter ficado em sexto na semana passada. Em segundo lugar estreia-se Nonstop e seguem-se, por ordem, God's Plan, In My Feelings, I'm Upset, Emotionless e Don't Matter to Me, que conta com arranjos vocais de Michael Jackson previamente gravados.

Os outros três lugares do Top 10 estão guardados para Cardi B, em terceiro, Maroon 5, em quinto, e para o 'rapper' XXXTentacion, morto a tiro em junho, que ocupa o décimo lugar com Sad!.

A lista da Billboard reúne as canções mais ouvidas da semana nos Estados Unidos, por popularidade, compilando dados de vendas e transmissões. Em abril de 1964, os Beatles ocupavam os cinco primeiros lugares do top com os temas Can't Buy Me Love, Twist and Shout, She Loves You, I Want to Hold Your Hand e Please Please Me.

Mas Drake tem agora sete temas no Top 10 o que é um recorde. O cantor conta agora com 31 êxitos no Top 10, ficando empatado com Rihanna, no terceiro lugar, sendo que à sua frente se encontram os Beatles com 34 êxitos e Madonna com 38.

Drake lançou, no final de junho, o álbum Scorpion e, até ao momento, todas as 25 músicas do álbum estão na tabela Hot 100 da Billboard.

Desde 2009, Drake, conta com 186 músicas na tabela do Top 100 da Billboard, ficando assim em segundo, atrás do elenco da série americana "Glee", que teve 207 das suas músicas na tabela.

O cantor e compositor estreou-se com 17 anos na série televisiva Degrassi: A próxima geração, tendo participado em 138 episódios. Em 2006, Drake, lançou a sua primeira mixtape, Room for Improvement, sendo que o seu primeiro álbum de estúdio Thank me Later foi lançado em 2010.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.