Descoberto o mais antigo excerto da 'Odisseia' de Homero

Placa de argila tem gravados 13 versos do canto XIV do poema épico e datará do século III d.C.. Foi encontrada junto ao templo de Zeus, na antiga cidade de Olímpia, no Peloponeso.

Uma equipa de arqueólogos gregos e alemães descobriu numa placa de argila na antiga cidade de Olímpia, o berço dos Jogos Olímpicos na península do Peloponeso, aquele que acreditam ser o mais antigo excerto escrito da Odisseia, poema épico de Homero.

A placa tem gravados 13 versos do canto XIV, no qual o herói, Odisseu (ou Ulisses), fala para o seu amigo Eumeu. Estimativas iniciais indicam que a placa data do período romano, mais precisamente do século III d.C., segundo o Ministério da Cultura grego.

As excavações do Serviço de Arqueologia da Grécia em cooperação com o Instituto Alemão de Arqueologia, junto ao templo de Zeus, na antiga cidade de Olímpia, decorrem há três anos.

O grego Homero criou a Odisseia no século VIII a.C.. O poema épico de 12 109 versos conta a história do rei de Ítaca e da sua epopeia de dez anos para regressar a casa após a queda de Tróia. Foi transmitido ao longo de séculos através da tradição oral. É o segundo grande poema épico atribuído a Homero, depois da Ilíada.

A data desta placa de argila ainda tem que ser confirmada, mas o ministério da Cultura grego diz que ainda assim é um grande descoberta "arqueológica, epigráfica, literária e histórica". Se a data estiver correta, este pode ser o mais antigo registo escrito do trabalho de Homero descoberto na Grécia.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.