O suíço que se apaixonou pelo elétrico 28

Livro infantil do autor Davide Cali sobre o mais emblemático elétrico de Lisboa é agora editado em Portugal.

Amadeo conduz o elétrico 28 pelas ruas sinuosas de Lisboa. Amadeo é um romântico. Por isso, enquanto vai dos Prazeres (Campo de Ourique) ao Martim Moniz, ele gosta de dar "uma mãozinha a muitos apaixonados tímidos". Uma travagem aqui, uma curva mais apertada ali, em cada manobra há corpos que se tocam, abraços inesperados e, quem sabe, uns beijos trocados.

Amadeo é o protagonista de Elétrico 28, o livro do escritor Davide Cali e da ilustradora Magali le Huche que acaba de ser editado em Portugal pela Nuvem de Letras.

Tudo começou quando o escritor suíço-italiano Davide Cali visitou Lisboa em 2015 para participar num colóquio na Fundação Calouste Gulbenkian: "Fiquei só alguns dias na cidade, porque vim dar umas conferências, mas tive tempo por passear e gostei muito da cidade e da comida. Não sei dizer do que gostei mais. Queria, e ainda quero, mais", conta ao DN, confessando que é provável que no próximo ano venha passar umas semanas a trabalhar na capital portuguesa. Andar de elétrico em Lisboa foi uma experiência "muito divertida", diz.

E foi precisamente essa paixão pela cidade que quis passar para o livro. Toda a história é ambientada em Lisboa, há panorâmicas da cidade e do rio, algumas referências a azulejos e à arquitetura, roupa estendida nas janelas, há um músico de rua a tocar guitarra portuguesa, e há cafés, onde se bebe uma bica com um pastel de nata. É possível ver bem como o elétrico se move pelas colinas da cidade, em subidas íngremes, e até há quiosques e calçada que são perfeitamente identificáveis. Será que esta história só poderia acontecer em Lisboa? Davide Cali não sabe dizer: "Há elétricos noutras cidades, como, por exemplo, em São Francisco. Mas não tenho a certeza se o ambiente seria o mesmo..."

Esta foi a primeira vez que Cali trabalhou com a ilustradora Magali le Huche: "Há muito tempo que queria fazer um livro com ela e lembrei-me de que ela já conhecia a cidade", conta. Assim, tudo se tornou mais fácil. Elétrico 28 foi originalmente editado em França pela ABC Melody Éditions, uma editora que é conhecida sobretudo pelos seus livros de viagens, e só agora chega a Portugal.

Quem não aparece no livro são os turistas. Nem um. O que não deixa de ser curioso tendo em conta que o elétrico 28, uma carreira que existe há mais de cem anos e que atravessa a principal zona histórica da cidade, é hoje em dia sobretudo utilizado por turistas (o que tem até causado algumas polémicas). Davide Cali não tem explicação para isso. "Talvez deva perguntar à Magali. De qualquer forma, é frequente os livros para crianças passarem-se num outro tempo", adianta. Cali reconhece ainda que a sua obra é marcada por um sentido de humor desafiador e pelo que é politicamente incorreto: "Acho que aprendi com Roald Dahl."

Quanto ao nome do protagonista - que na edição original se chama Amadeu, com "u" -, o autor explica que tem no computador um arquivo de nomes de vários países a que recorre sempre que precisa: "Amadeu pareceu-me um bom nome... um nome clássico", explica.

Davide Cali, nascido na Suíça, em 1972, é escritor, ilustrador e autor de banda desenhada. Apesar de ter publicado também para adultos, grande parte da obra é identificada para crianças. "Eu escrevo histórias para mim, depois para o público, que é enorme e não está limitado pela idade. Se, na teoria, os meus livros são destinados às crianças, as histórias são para todos", explicou o autor numa entrevista à Lusa. São dele livros como Eu espero, com Serge Bloch , A Rainha das Rãs não Pode Molhar os Pés, com Marco Somà, A Casa Que Voou, com a ilustradora portuguesa Catarina Sobral (todos pela Bruaá Editora), Um Dia, Um Guarda-Chuva, com Valerio Vidali (Planeta Tangerina), Não Fiz os Trabalhos de Casa porque... e Cheguei Atrasado à Escola porque..., ambos ilustrados por Benjamin Chaud (e editados pela Orfeu Negro). Ao mesmo tempo que Elétrico 28, chega às livrarias portuguesas mais um livro desta dupla: As Minhas Incríveis Férias de Verão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.