Conan Osíris: "Se calhar as pessoas precisaram de tempo para digerir"

O intérprete de "Telemóveis" é o representante português na Eurovisão. Cansado, Conan Osíris admite que se calhar o público já o compreende melhor agora.

Era o grande favorito do público e esse favoritismo acabou por se confirmar: Conan Osíris é o vencedor do Festival da Canção 2019. Telemóveis é a música que se vai ouvir em português em maio em Israel. Teve até mais pontos que Salvador Sobral, grande vencedor da Eurovisão em 2017.

Ainda meio atordoado, Conan Osíris entra na sala de imprensa para falar ao jornalistas depois de ter vencido o Festival da Canção, programa que, confessa, só viu duas vezes - os dois últimos. "Vi vídeos no YouTube" e tem uma surpresa, a sua música favorita: "Menina" cantada por Tonicha em 1971. "Por isso fiz aquela cena e as pessoas não perceberam. Eu não estava a gozar, para mim é genialidade pura, em termos de orquestração, da letra, da interpretação dela. Perfeito." A cena foi este post no Instagram que era usar as mesmas críticas de interpretação literal que agora se fazem das suas letras.

Desconcertante, Conan começa logo por pedir desculpa, mal chega à sala de imprensa. "Logo eu que não sei falar", justifica-se. Sobre a atuação diz apenas que não sabe ainda se vai mudar alguma coisa para Israel, em maio, e, acrescenta que não vai explicar os adereços (uma máscara e, esta noite, uns anéis a fazer lembrar garras). "Never will (nunca o farei)", responde, para logo desafiar: "Estou à espera que vocês descubram."

Depois de ter mudado o visual e a coreografia da semifinal para a final, o intérprete de Telemóveis não descarta vir a fazer o mesmo na primeira semifinal da Eurovisão, a 14 de maio. "Talvez, porque não. Se mudei agora", admite.

Novato nestas andanças festivaleiras, elogiou o espírito de entreajuda e amizade que reinou entre os intérpretes. "Todos se ajudavam e tentavam que cada um fosse melhor. Não senti rivalidade nenhuma. Foi um espírito de irmandade." No final, estiveram todos juntos em palco, enquanto Conan cantou pela última vez telemóveis: "Já queria que eles estivessem lá comigo desde o início da música. Fazia todo o sentido."

"Wow" foi uma das palavras mais usadas pelo músico para se referir à sua vitória, numa conferência de imprensa que não durou 10 minutos. Sem palavras, Conan não se coibiu de se autodeclarar "visivelmente burro" e de brincar com a quantidade de flashes que levou durante a conferência - "daqui a nada estou com uma epilepsia, chefe".

Numa curta conferência de imprensa houve ainda tempo para falar da incompreensão do público. Apesar de ter sido o mais votado pelo público logo na primeira semifinal, a atuação de Tiago Miranda, de 29 anos, foi muito criticada nas redes sociais. "Se calhar as pessoas não me conheciam e precisaram de tempo para digerir e agora já percebem, não sei. Pode ter sido isso."

"Se calhar as pessoas não me conheciam e precisaram de tempo para digerir"

Sobre o facto de ter sofrido dessa mesma incompreensão quando era jovem, devido ao seu estilo alternativo, Conan admite que talvez se tenha passado o mesmo e, assegura, que hoje está satisfeito consigo mesmo e satisfeito por já ser mais compreendido.

Favorito lá fora

Desde que fez a sua atuação na primeira semifinal que Conan Osiris chamou a atenção dos fãs da Eurovisão lá fora. Entre os mais entusiásticos estiveram William e Deban do site Wiwibloggs (um dos mais influentes sites para os seguidores da Eurovisão) quando viram a performance de Conan.

"Só tive ideia que lá fora estava a ser falado quando vi um vídeo de um bacano já a abanar com a mesa a reagir à minha atuação na semifinal. Isso para mim é tipo eu quando gosto de uma coisa. Portanto, isso para mim foi assim: 'ok, isso está correto, tudo bem. Agora eu acredito em alguma coisa".

Antes de ser escolhido o vencedor do Festival da Canção Portugal estava em 11º lugar nas apostas para vencer a Eurovisão. Menos de uma hora depois de conhecido o nome vencedor, está em 9º lugar.

Uma expectativa que o próprio parece ainda não ter dado conta. Quando um jornalista começou a pergunta: "Neste momento és um dos favoritos à vitória", Conan interrompeu para dizer: "Lá fora?", genuinamente surpreendido. Logo, só avança que vai numa postura idêntica à do Festival. "Menino, vim a Portimão agora porque era mais perto. Agora vou a outro sítio, vamos ver o quê que dá. Nem sei se para a semana estou cá ou não. Vamos ver."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.