Biblioteca romana descoberta em Colónia

Esta descoberta é "inacreditável e espetacular", segundo o arqueólogo Dirk Schmitz

Foram descobertos em Colónia os restos da biblioteca pública mais antiga da Alemanha, um edifício com dois mil anos que poderá ter guardado mais de 20 mil pergaminhos.

As paredes ficaram expostas em 2017, durante uma escavação na cave de uma igreja protestante no centro da cidade, revelou o jornal Kölner Stadt-Anzeige citado pelo The Guardian.

Colónia foi fundada pelos romanos em 50 dC e é uma das primeiras cidades da Alemanha. As paredes tinham nichos embutidos, com 80 por 50 centímetros, e não se percebeu desde logo o que era.

"Demorámos algum tempo a deslindar o caso, porque os nichos eram demasiado pequenos para conter esculturas. Afinal eram caixas para os rolos de pergaminho e papiro", disse Dirk Schmitz, do Museu Romano-Germânico de Colónia.

"São estruturas características das bibliotecas - existem caixas idênticas na biblioteca de Éfeso, na Grécia. Não sabemos quantos pergaminhos haveria, mas calculamos que poderão ter sido 20 mil", acrescentou.

Esta descoberta é "inacreditável e espetacular", segundo o arqueólogo. "Datámos a biblioteca de meados do século II dC, e é certamente a mais antiga da Alemanha e talvez das províncias romanas do noroeste", disse. "Talvez haja várias cidades romanas com bibliotecas mas não foram escavadas. Se só tivéssemos encontrado as fundações, não teríamos percebido que era uma biblioteca, pois não teríamos encontrado os nichos."

O edifício terá sido usado como biblioteca pública, dizem os especialistas, porque é muito grande e foi construído no centro da cidade com materiais robustos. As paredes vão ser preservadas, e três nichos poderão ser vistos pelo público na cave da igreja protestante comunitária em construção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.