Biblioteca romana descoberta em Colónia

Esta descoberta é "inacreditável e espetacular", segundo o arqueólogo Dirk Schmitz

Foram descobertos em Colónia os restos da biblioteca pública mais antiga da Alemanha, um edifício com dois mil anos que poderá ter guardado mais de 20 mil pergaminhos.

As paredes ficaram expostas em 2017, durante uma escavação na cave de uma igreja protestante no centro da cidade, revelou o jornal Kölner Stadt-Anzeige citado pelo The Guardian.

Colónia foi fundada pelos romanos em 50 dC e é uma das primeiras cidades da Alemanha. As paredes tinham nichos embutidos, com 80 por 50 centímetros, e não se percebeu desde logo o que era.

"Demorámos algum tempo a deslindar o caso, porque os nichos eram demasiado pequenos para conter esculturas. Afinal eram caixas para os rolos de pergaminho e papiro", disse Dirk Schmitz, do Museu Romano-Germânico de Colónia.

"São estruturas características das bibliotecas - existem caixas idênticas na biblioteca de Éfeso, na Grécia. Não sabemos quantos pergaminhos haveria, mas calculamos que poderão ter sido 20 mil", acrescentou.

Esta descoberta é "inacreditável e espetacular", segundo o arqueólogo. "Datámos a biblioteca de meados do século II dC, e é certamente a mais antiga da Alemanha e talvez das províncias romanas do noroeste", disse. "Talvez haja várias cidades romanas com bibliotecas mas não foram escavadas. Se só tivéssemos encontrado as fundações, não teríamos percebido que era uma biblioteca, pois não teríamos encontrado os nichos."

O edifício terá sido usado como biblioteca pública, dizem os especialistas, porque é muito grande e foi construído no centro da cidade com materiais robustos. As paredes vão ser preservadas, e três nichos poderão ser vistos pelo público na cave da igreja protestante comunitária em construção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.