"Frei Luís de Sousa" é uma das piores peças do teatro português?

Se toda a gente diz que o teatro português não presta, o Teatro Praga celebra essa herança em Worst of e põe em cena algumas das piores peças: de Gil Vicente a Bernardo Santareno.

"Não quero nada disto. Cheira mal, faz-me mal. E ainda por cima faz-me sentir vergonha", diz a atriz São José Correia. "E não é só do século passado, é de agora. Está a acontecer agora. É tudo tão triste", acrescenta o ator Rogério Samora. "Isto devia acabar tudo. O pior é que fica." E ainda falta entrar a mais veterana de todas, a atriz Márcia Breia, bradando: "Que merda. Isto é uma grande merda." De que falam? Do teatro português. Do mau teatro português.

Worst of é o novo espetáculo-provocação do Teatro Praga. Tudo partiu, explica Pedro Penim, do convite para se apresentarem no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, e de começarem a pensar o que se pode fazer naquele palco e qual é a ideia que temos de repertório. "Existe uma ideia de que o teatro português é mau. Essa ideia do delay, da cópia de modelos estrangeiros, do mal crónico - não é nossa, tem sido alimentada por vários autores, como o Eça de Queiroz, e até pelo público. E nós perguntámo-nos como é que nos podíamos integrar nessa tradição? Como abraçar um legado, que se calhar não é o melhor legado do mundo. Ao contrário da dramaturgia inglesa que tem o Shakespeare, ou da francesa que tem o Molière ou da espanhola que tem os autores do Século de Ouro, sempre foi dito que a nossa dramaturgia não é relevante, apesar de haver o Gil Vicente e o Almeida Garrett que são os autores ditos mais significativos, nenhum deles tem a dimensão e o peso dos outros."

Essa reflexão acabou por libertá-los do peso de uma qualquer herança e dar-lhes maior liberdade para criar. "Isto é uma celebração, só que ao contrário, em vez de celebrar o que é bom, de dizermos que somos todos muito bons e estamos na crista da onda, aqui fazemos uma celebração do mau". Logo surgiu a ideia de fazer um top 10, ao estilo das listas das dez melhores praias do mundo ou os dez restaurantes que todos devem experimentar, só que com os dez piores espetáculos portugueses. Em vez de um best of (o melhor) é um worst of (o pior).

Pancadas de Molière. E temos Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett, o "pai do Teatro Nacional". Seguem-se Felizmente há Luar, de Sttau Monteiro (1961), Fígados de Tigre, de Gomes de Amorim (1857), O Lodo, de Alfredo Cortês (1923), Português, escritor, 45 anos, de Bernardo Santareno (1974), Teatro Novo, de Correia Garção (1766), Maluquinha de Arroios, de André Brun (1919), Ceia dos Cardeais, de Júlio Dantas (1902), Auto da Visitação ou Monólogo do Vaqueiro, de Gil Vicente (1502) e, por fim, Worst of, a peça dos Praga.

As escolhas destas listas são sempre subjetivas, é claro, mas Pedro Penin explica: "Tentámos escolher peças que de facto são relevantes e são geralmente salvas do mau, como o Frei Luís de Sousa e o Monólogo do Vaqueiro, e depois acabar com a nossa própria peça, Worst Of, fazendo-se incluir nessa lista de dez piores. No meio temos peças de várias épocas, várias estéticas. Depois se são as dez piores ou não não nos importa - são momentos exemplares do que poderiam ser as dez piores. Se é teatro e é português, é mau." Apesar de defender que a lista dos dez piores é apenas exemplificativa, e de questionar permanentemente os conceitos de bom e mau, o grupo não esconde que se trata de uma provocação: "Há aqui uma ideia de afronta. Estamos na casa de Garrett e estamos a dizer que o Frei Luís de Sousa é uma das piores peças portuguesas."

Enquanto num palco pequeno os atores que habitualmente trabalham com os Praga (Pedro Penim, Cláudia Jardim, Patrícia da Silva e Diogo Bento) interpretam excertos das peças, na boca de cena os convidados (Rogério Samora, Márcia Breia, São José Correia e Vítor Silva Costa) são os atores e espectadores que comentam, ora em tom crítico ora de gozo, as peças e o estilo de representação. Por exemplo: "Não há amor quando tudo é decorado".

Essa inversão dos papéis é também ela uma provocação. "Nós, os atores dos Praga, estamos mesmo a defender estas peças, não estamos só a ataca-las ou expô-las ao ridículo. Estamos a tentar, dentro das nossas capacidades, pensar como seria montar uma peça como os Fígados de Tigre e dar-lhe o melhor de nós", explica Penim. E a escolha dos atores mais veteranos também foi propositada: "Escolhemo-los porque precisávamos de três pessoas que tivessem essa autoridade e esse histórico, eles são atores que têm reconhecimento público e têm carreiras extensas e relevantes no teatro. E eles estão a fazer os nossos papéis, a dizer o que nós costumamos dizer nos nossos espetáculos."

Lições de moral? Nem pensar, dizem. "Este espetáculo a ter vontade de alguma coisa é de criar um espaço de maior liberdade", afirma José Maria Vieira Mendes. "Para quem faz e até para o espectador. Que não tem que ter qualquer expectativa. Já sabe que aqui é tudo mau."

"Nós também fazemos parte da merda, não nos achamos extraordinários nem somos melhores", diz Rogério Samora, que acabou de fazer 60 anos: "Vejo muito teatro desde miúdo e vi coisas muito más". Para além de ter entrado em Quem és tu?, filme de João Botelho a partir de Frei Luís de Sousa, Samora também fez o pajem ao lado de Rui Mendes numa versão do Monólogo do Vaqueiro para televisão em 1977. "Muitas vezes apetece dizer: fiz esta merda. Mas não se pode dizer. E aqui podemos. São pensamentos verbalizados. Não é uma salvação, não é uma redenção, não é uma crítica. É só muito libertador."

Aqui, como se verá lá mais para o fim, todos poderão dizer que isto é uma merda. A palavra invade completamente o espetáculo e perde o seu valor. O que é bom? O que é mau? Será que esse tipo de valoração tem alguma importância?

Worst of
Teatro Praga
Teatro Nacional D. Maria II, Lisboa
De 1 a 8 de novembro
Bilhetes de 8 a 17 euros

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.