A história do português que lutou ao lado de George Washington chega ao cinema

O ator norte-americano Brian Patrick Wade vai interpretar o papel de Peter Francisco e já visitou várias vezes Portugal para se preparar. "Não fazia ideia de quão belo é o país", destaca.

O ator Brian Patrick Wade, que vai interpretar o herói português da revolução americana Peter Francisco no filme "Luso", ficou "impressionado" com a cultura e história de Portugal, que visitou várias vezes para preparar o papel.

"Apaixonei-me pela história e por este personagem e embarquei numa viagem de aprendizagem sobre a cultura portuguesa e a sua herança", disse à Lusa o ator norte-americano, conhecido pelas séries Generation Kill, Teen Wolf e Agents of S.H.I.E.L.D. "Este é um papel importante não apenas na cultura e história americanas, mas também portuguesas", sublinhou.

Para interpretar Peter Francisco no filme independente, Brian Patrick Wade vai ganhar algum peso, já que uma das características mais notórias do herói português era a sua estatura impressionante, 1,98m e 118 quilos.

"Serei um gigante de Hollywood, não um gigante da vida real", notou o ator, de 41 anos, que tem a mesma altura que o soldado da guerra revolucionária que viveu entre 1760 e 1831.

Antes de travar conhecimento com o criador do projeto, Travis Bowman, que é trineto de Peter Francisco, Brian Patrick Wade "não sabia nada sobre os portugueses", reconheceu.

"A cultura portuguesa é única, muito unida", destaca o ator

"Fui a Portugal várias vezes para mergulhar na cultura, conhecer os Açores e a Madeira", explicou. "Não fazia ideia de quão belo é o país e como várias partes são tão diferentes umas das outras, um pouco como acontece com a Califórnia", acrescentou.

Numa das viagens de trabalho, Brian Patrick Wade jantou com Duarte Pio, Duque de Bragança, e ficou "impressionado" com a "riqueza" da história de Portugal e o facto de que "toda a gente parece ter orgulho dela".

"A cultura portuguesa é única, muito unida. Mesmo fora do país, os portugueses encontram-se sempre uns aos outros e cuidam uns dos outros", considerou.

O ator afirmou que se trata de "uma cultura muito acolhedora", que o recebeu bem, e sentiu que "em Portugal é como se todos fossem uma grande família".

As filmagens de Luso vão passar por várias localizações em Portugal, incluindo o Castelo de Almourol em Santarém, o Terreiro do Paço em Lisboa e porções dos Açores e Madeira, estando marcadas para o início de 2020.

A história do português que combateu com George Washington

O filme contará a história verdadeira de Pedro Francisco Machado, nascido em 1760 em Porto Judeu, nos Açores, de onde foi raptado aos cinco anos quando brincava com a irmã e levado para o estado da Virginia, nos Estados Unidos, onde seria abandonado sozinho e sem falar inglês.

Aos 16 anos, alistou-se no 10º regimento da Virginia para lutar na Guerra Revolucionária e tornou-se notório pela sua estatura e bravura como soldado, sendo fundamental em grandes batalhas como Camden em 1780 e Guilford Courthouse em 1781.

Com o nome adaptado para Peter Francisco, recebeu do General Lafayette a alcunha de Luso, por ser proveniente da região outrora conhecida como Lusitânia.

George Washington, o primeiro presidente norte-americano, disse que sem Peter Francisco os Estados Unidos poderiam ter perdido a guerra da revolução contra os britânicos, uma citação inscrita no monumento erigido em honra do português em New Bedford, Massachussetts. "É verdadeiramente um exército de um homem só", disse o presidente, que mandara fazer uma espada de 1,80m de propósito para ele.

Há vários outros monumentos em sua honra na Carolina do Norte, Nova Jersey, Rhode Island e Virginia, e em 1976 foi emitido um selo na coleção bicentenária dos EUA com a cara de Peter Francisco, um "soldado extraordinário".

Daniela Ruah e Diogo Morgado no elenco. Produtor é trineto do herói português

O filme abordará também a paixão de Peter Francisco por Susannah Anderson, com quem casou em 1784 apesar da oposição da sua família, que queria vê-la casada com um homem abastado.

O papel de Susannah ainda não foi entregue, mas Brian Patrick Wade terá no elenco a companhia de Daniela Ruah, Sónia Braga, Fredy Costa e Diogo Morgado, que será também o realizador da película.

O filme é independente e tem um orçamento de 15 milhões de dólares (13,5 milhões de euros), disse à Lusa o produtor Travis Bowman. O produtor e argumentista é trineto do herói português.

A intenção é produzir um filme independente com as características cinematográficas de grandes dramas históricos, como Braveheart e Gladiador, partindo do livro que Travis Bowman publicou em 2009 sobre Peter Francisco, intitulado Hércules da Revolução.

A equipa de produção é composta por Travis Bowman, Chris Cates e Leah Allen, com lançamento internacional previsto para 2022.

"Estamos a trabalhar no financiamento e temos o City National Bank em Beverly Hills que vai financiar 10 milhões", explicou o produtor do filme.

"Os outros cinco milhões será através de investidores, que se vão disponibilizar a investir dinheiro em troca de um bom retorno se o filme tiver sucesso".

Travis Bowman e Brian Patrick Wade deslocaram-se a Portugal duas vezes no último ano para reuniões com o Instituto do Cinema e do Audiovisual, que tem um programa de incentivos para produções estrangeiras, e com a NOS, para assegurar a distribuição na rede de cinemas em Portugal.

Também estiveram presentes na 23ª gala anual do Conselho de Liderança Luso-Americano dos Estados Unidos (PALCUS), que decorreu em Sacramento no sábado, 12 de outubro, para promover a produção.

História "épica"

"Os factos são surpreendentes e é incrível que este filme nunca tenha sido feito", disse Travis Bowman, que começou a trabalhar no projeto há cinco anos. "Talvez fosse necessário alguém com paixão, um descendente do Peter como eu", acrescentou o produtor, que está a trabalhar com Chris Cates e Leah Allen no projeto.

Quando escreveu o livro, disse "já pensava na altura que isto tinha todos os ingredientes de um blockbuster". Depois, fez um mini-documentário para o Canal de História que é até hoje o único dedicado ao herói açoriano da revolução americana.

"A minha avó falava muito do Peter Francisco quando eu era novo", contou Bowman.

"É um rapaz raptado em criança que cresce para se tornar um gigante", disse o descendente. É baseado numa história verdadeira" disse Bowman, "e toda ela é épica".

Vários estados norte-americanos assinalam o Dia de Peter Francisco a 15 de março, aniversário da Batalha de Guilford Courthouse, em Greensboro, em que o "gigante" açoriano matou 11 soldados britânicos e quase morreu dos ferimentos sofridos.