Ator Sérgio Praia e músicos celebram Variações no cinema e em palco

António Variações vai ser relembrado e celebrado no Nos Alive esta semana. O alinhamento incluirá temas mais conhecidos de Variações, como "O corpo é que paga", mas a intenção é mostrar canções menos populares do músico e com arranjos próximos daquilo que ele imaginou na época dos primeiros ensaios.

As canções de António Variações, incluindo uma inédita, vão ser recordadas esta semana no festival Nos Alive (Algés), numa celebração que se prolongará pelos próximos meses, com um filme sobre o músico e uma possível digressão pelo país.

No dia 22 de agosto, estreia-se nos cinemas nacionais o biopic "Variações", produzido pela David & Golias de Fernando Vendrell e realizado por João Maia, que também escreveu o argumento. O filme biográfico inspirado na vida de António Ribeiro, Toninho (para a mãe) ou António Variações (para o público), é interpretado pelo ator Sérgio Praia que, além da interpretação física do músico, também canta todas as canções, recriando as sessões de composição e gravação embrionárias dos temas de várias cassetes - sozinho em casa, com um gravador e uma caixa de ritmos - até à primeira atuação de Variações na discoteca Trumps, na capital, em 1981.

"A prestação do Sérgio foi tão convincente que quisemos transpor o que aconteceu no ecrã para os palcos. É um António que nunca ninguém conheceu, antes de ele editar qualquer disco", afirmou à agência Lusa o músico e produtor Armando Teixeira, num dos ensaios para a estreia no festival Nos Alive.

Nos concertos, Sérgio Praia vai estar acompanhado por Armando Teixeira (sinettizador) e pelos músicos Vasco Duarte (guitarra), David Santos (baixo) e Duarte Cabaça (bateria). O alinhamento incluirá temas mais conhecidos de Variações, como "O corpo é que paga", mas a intenção é mostrar canções menos populares do músico e com arranjos próximos daquilo que ele imaginou na época dos primeiros ensaios.

"Eu sei que houve alguns concertos [de António Variações] que eram mais animados, mas a grande maioria não era assim tão feliz. Queríamos celebrar no Nos Alive e trazer cá para fora toda a energia e a alegria que ele merece", afirmou Sérgio Praia à agência Lusa.

"Vai ser uma versão adaptada àquilo que os músicos que tocavam com o António faziam na altura. Eram músicos muito influenciados pelo 'prog rock', foi ali na altura do punk. (...) Fizemos versões a imaginar como seria a banda, quais as bandas que [Variações] gostaria de tocar na altura, Roxy Music, David Bowie, Iggy Pop, ter o Brian Eno a produzi-lo ou o Tony Visconti", explicou Armando Teixeira.

O músico e produtor, que assina a direção musical do filme, teve acesso às cassetes que António Variações deixou com dezenas de canções, excertos, ensaios e experimentações; as mesmas cassetes que foram recuperadas para o projeto Humanos, em 2004, e das quais é agora retirado um tema inédito, intitulado "Quero dar nas vistas". Segundo Armando Teixeira, esta era uma música "que nunca ninguém achou que era uma verdadeira canção. Não tinha aquele cariz pop que as outras têm" e nas cassetes estão gravados apenas excertos agora completados.

Armando Teixeira e Sérgio Praia fazem questão de sublinhar que o filme, a banda sonora e os concertos são "um documento" que tenta ser fiel àquilo que foi o período de vida de António Variações antes do sucesso e para lá da imagem "histriónica" que os portugueses têm dele.

Os artistas revelaram ainda que, depois da estreia no festival, onde a banda vai marcar presença todos os dias (11, 12 e 13), há planos para apresentar o espetáculo noutros palcos do país, ainda em datas a anunciar.

António Variações marcou a música portuguesa a partir da década de 80 e, no ano em que se cumprem 35 anos da morte de António Variações - a 13 de junho de 1984, aos 39 anos -, Sérgio Praia reforça a ideia de celebração e da importância da escrita para entender o artista.

"É nas letras que está o grande tesouro. As letras e a simplicidade fazem com que aquilo seja universal e toque todas as idades", disse.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.