Lançada primeira missão tripulada chinesa para construir estação espacial

A tripulação chinesa, composta por três astronautas, deve permanecer por três meses no módulo residencial da estação espacial da China, para realizar experiências científicas, trabalhos de manutenção, caminhadas espaciais e preparar a instalação de dois módulos adicionais.

A primeira missão tripulada enviada pela China para a sua estação espacial em construção partiu esta quinta-feira, do noroeste do país, com três astronautas a bordo.

O foguetão Longa Marcha 2F partiu à hora prevista, 09:22 (02:22 em Lisboa) do Centro de lançamento espacial de Jiuquan, no deserto de Gobi (noroeste), de acordo com as imagens transmitidas em direto pela televisão estatal CGTN.

Os três astronautas, Nie Haisheng, Liu Boming e Tang Hongbo vão passar três meses no primeiro módulo da estação Tiangong [Palácio Celestial], que deverá estar concluída em 2022 e ter uma vida útil de pelo menos dez anos no espaço.

Centro de controlo e habitação dos astronautas, este primeiro módulo foi colocado na órbita terrestre, entre 350 e 390 quilómetros de altitude, em abril.

A decisão de construir uma estação espacial chinesa surgiu depois da recusa dos Estados Unidos de deixarem a China participar na Estação Espacial Internacional (ISS).

"Estamos prontos a cooperar com qualquer país empenhado numa utilização pacífica do espaço"

A ISS, que reúne os Estados Unidos, a Rússia, o Canadá, a Europa e o Japão, deve deixar de estar operacional em 2024, apesar de a agência espacial norte-americana NASA ter já mencionado a possibilidade de prolongar o funcionamento até 2028.

"Estamos prontos a cooperar com qualquer país empenhado numa utilização pacífica do espaço", declarou, na quarta-feira, um responsável da agência de voos tripulados chinesa (CMSA), Ji Qiming.

A tripulação chinesa deve permanecer por três meses no módulo residencial da estação espacial da China, para realizar experiências científicas, trabalhos de manutenção, caminhadas espaciais e preparar a instalação de dois módulos adicionais.

Embora a China admita que chegou tarde à corrida das estações espaciais, o país assegura que as suas instalações são de ponta e podem durar mais que a Estação Espacial Internacional, que está a chegar ao fim do seu período útil.

O lançamento na quinta-feira também relança o programa espacial tripulado da China após um hiato de cinco anos.

Com este lançamento, a China aumenta para 14 o número de astronautas que lançou para o espaço, desde que alcançou o feito pela primeira vez, em 2003, tornando-se o terceiro país a fazê-lo, depois da antiga União Soviética e dos Estados Unidos.

À medida que a economia chinesa começou a ganhar força, no início dos anos 1990, a China formulou um plano para a exploração espacial, que executou numa cadência constante e cautelosa.

Embora o país tenha sido impedido de participar na Estação Espacial Internacional, principalmente devido às objeções dos EUA, que apontam a natureza opaca do programa chinês e as suas estreitas ligações às Forças Armadas, a China avançou com a construção da sua própria estação, visando alcançar o estatuto de potência espacial.

O programa espacial da China tem sido grande fonte de orgulho nacional, ilustrando a ascensão desde a pobreza à segunda maior economia do mundo, nas últimas quatro décadas.

Isto reforçou a legitimidade do Partido Comunista Chinês, cujo governo autoritário e limites à atividade política foram tolerados pela maioria dos chineses enquanto a economia crescia.

Ida dos tripulantes para a estação espacial coincide com a comemoração do centenário do Partido Comunista

O Presidente chinês e secretário-geral do Partido, Xi Jinping, associou-se a este sucesso. Nos seus comentários, Ji citou o líder chinês como o arquiteto da ascensão da China à proeminência no espaço.

A ida dos tripulantes para a estação espacial também coincide com a comemoração do centenário do Partido Comunista, no próximo mês, um marco político importante.

A China está a modernizar as suas forças armadas, suscitando preocupações entre os vizinhos, os EUA e os aliados da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

Enquanto a China defende o desenvolvimento pacífico do espaço com base na igualdade e respeito mútuo, muitos lembram que o país, em janeiro de 2007, enviou um míssil balístico para o espaço para destruir um satélite meteorológico inativo, criando um campo de destroços que continua a ser uma ameaça.

Quem são os astronautas que integram a missão?

O comandante da missão Nie Haisheng, 56 anos, e os astronautas Liu Boming, 54 anos, e Tang Hongbo, 45, são ex-pilotos da Força Aérea do Exército de Libertação Popular, com sólida formação científica.

Todos os astronautas chineses foram recrutados, até à data, entre as Forças Armadas, o que ressalta a sua estreita ligação com o programa espacial.

Para Nie esta é a terceira viagem ao espaço, e para Liu a segunda, após uma missão realizada em 2008 que incluiu a primeira caminhada espacial da China. Tang está a voar para o espaço pela primeira vez.

As futuras missões à estação incluirão mulheres, de acordo com as autoridades, com estadias estendidas por até seis meses e até seis astronautas na estação por vez durante as trocas de tripulação.

O programa espacial chinês inclui a exploração do sistema solar com naves espaciais robóticas

Com a China a intensificar a cooperação e os intercâmbios internacionais, é apenas uma questão de tempo até que os astronautas estrangeiros se juntem aos colegas chineses em missões à estação, disse Ji aos jornalistas.

O programa espacial chinês inclui ainda a exploração do sistema solar com naves espaciais robóticas.

No mês passado, o país pousou uma sonda em Marte, que transportou um 'rover', que está a realizar uma série de tarefas, procurando principalmente por água congelada que poderia fornecer sinais de vida antiga no planeta vermelho.

A China pousou antes uma sonda e um 'rover' no lado oculto da Lua. A China também trouxe de volta as primeiras amostras lunares do programa espacial de qualquer país desde os anos 1970 e as autoridades dizem que querem enviar astronautas chineses à Lua e, eventualmente, construir ali uma base para pesquisas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG